“Ergueu os olhos para a noite como se nela procurasse chão.”

“Queria dormir, apagar o seu existir.”

“Ela, porém, já não se considerava vivente. Por isso, para deixar de viver, já nem carecia morrer.”

“Não é morrer que me dói. O que me dá tristeza é ficar morto.”

“Temos medo do pó porque é uma prova de que o Tempo existe e nos vai tornando obsoletos, quase minerais.”

“Queremos ter o gosto de usufruir sem a responsabilidade de possuir.”

“O choro é o nosso primeiro idioma.”

“O que você diria se encontrasse uns brancos proclamando o orgulho de serem brancos: não diria que eram racistas?”

“A guerra é uma serpente que matamos sem pisar a cabeça.”

Mia Couto, em O Outro Pé da Sereia (Companhia das Letras).

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments