Uma pesquisa encabeçada pelo projeto Itaú Cultural descobriu quem são os escritores brasileiros mais conhecidos no exterior. O resultado pode surpreender os incrédulos, pois, com méritos, o nosso escritor VIVO mais lido no exterior é Moacy Scliar. Mas, é claro, a lista não deixa de lado uma unanimidade nacional, que é o nosso escritor maior: Machado de Assis, o mais lido entre os vivos e mortos. Confira abaixo a matéria da Agência Estado.

Por Antonio Gonçalves Filho, da Agência Estado

A criação de uma rede transnacional pela internet, dedicada à instalação de um banco de dados, levou os organizadores do projeto “Conexões Itaú Cultural – Mapeamento Internacional da Literatura Brasileira“, iniciado no ano passado, a levantar informações curiosas não só para os escritores como para o mercado editorial brasileiro. A primeira delas é que nem só de Paulo Coelho vive a literatura do Brasil.

O escritor vivo mais citado numa pesquisa desenvolvida com tradutores, professores e bibliotecários estrangeiros de 19 países pelos organizadores do projeto não foi Coelho, mas o autor gaúcho Moacyr Scliar, de 62 anos, autor de 17 romances, livros de contos e infantis. A equipe de reportagem do “Grupo Estado” teve acesso exclusivo à lista dos nomes mais lembrados pelos participantes da pesquisa – liderada, como era de se esperar, pelo canônico Machado de Assis, citado 25 vezes na relação dos 55 especialistas consultados, seguido por Clarice Lispector e Guimarães Rosa.

Não é só uma lista dos dez mais. Ela incorpora todos os autores citados mais de uma vez pelos tradutores e professores de português em universidades estrangeiras, trazendo nomes recém traduzidos para o inglês, caso do escritor e redator-chefe da revista “Veja”, Mário Sabino, autor de “O Dia em Que Matei Meu Pai”, que recebeu uma entusiasmada crítica na Austrália. Casos como o de Sabino, com uma carreira relativamente curta na ficção e considerável índice de lembrança entre os pesquisados, atestam que a difusão e o alcance da literatura brasileira no exterior cresceram muito com a presença de editoras brasileiras em feiras internacionais e a troca de informações pela internet entre autores, tradutores e professores.

O Instituto Itaú Cultural já realiza um trabalho de coleta de referências sobre escritores brasileiros por meio de sua Enciclopédia Virtual da Literatura Brasileira, disponível na internet, mas o projeto de mapeamento é ainda mais ambicioso, pretendendo funcionar como uma “cartografia digital da cultura brasileira”, segundo Claudiney Ferreira, gerente do Núcleo de Diálogos do instituto. Um conjunto de ações começa a ser implementado para ampliar o banco de dados do Itaú sobre literatura, desde a gravação de um programa de rádio com escritores até o lançamento de um blog – já no ar – para captar informações sobre a presença e a recepção da literatura brasileira no mundo.

Outra estratégia do instituto é a realização de encontros anuais entre críticos e escritores para discutir literatura brasileira, como Encontros de Interrogação, cuja quarta edição começa hoje com debates sobre o espaço da literatura brasileira. Durante o evento serão divulgados os resultados da pesquisa.

O editor Felipe Lindoso, consultor de Literatura do Itaú, diz, a respeito da pesquisa com os estrangeiros, que a radiografia da literatura brasileira no exterior não pretendeu reforçar a dicotomia entre alta literatura e literatura de entretenimento. Tanto que Paulo Coelho aparece na lista com quatro citações, mesmo número alcançado por João Ubaldo Ribeiro e Murillo Mendes, todos atrás de Chico Buarque (sete menções) e Mario de Andrade (sete menções).

Entre os estrangeiros consultados estão nomes respeitadíssimos como o do tradutor alemão Berthold Zilly, da Universidade de Berlim, que traduziu “Memorial de Aires”, o último romance de Machado de Assis, e o norte-americano Charles A. Perrone, autor de um livro sobre Chico Buarque e grande especialista em Haroldo de Campos.

Segundo a pesquisa do Itaú com esses especialistas, há ainda alguns obstáculos que dificultam a entrada dos escritores – especialmente os novos – no mercado internacional. A última Feira de Frankfurt pode ter reunido 43 editores brasileiros e levado quase dois mil títulos para a Alemanha, mas as ações governamentais são quase nulas na área, segundo a pesquisa. Não há incentivo para o ensino do português em países estrangeiros ou um programa oficial que promova traduções lá fora que funcione, nem mesmo o da Fundação Biblioteca Nacional, dizem os especialistas da área. “Está crescendo o interesse geral no Brasil e a literatura apenas pega carona”, diz o americano Charles Perrone, que depende de traduções para ensinar literatura brasileira na Universidade da Flórida.

“Quanto aos autores novos, o especialista estrangeiro recorre a sites como o Cronópios para se informar”, conta Claudiney Ferreira, que se inspirou num relatório publicado por Ricardo Reis há 32 anos, na revista “Escrita”, para elaborar a pesquisa e mandar as perguntas aos estrangeiros.

Os Dez Mais – Os dez escritores mais citados pelos especialistas estrangeiros consultados na pesquisa realizada pelo Itaú Cultural são os seguintes:

1º: Machado de Assis

2º: Clarice Lispector

3º: Guimarães Rosa

4º: Graciliano Ramos

5º: Jorge Amado

6º: José de Alencar

7º: Manuel Bandeira

8º: Moacyr Scliar

9º: Rubem Fonseca

10º: Drummond de Andrade

Fonte: ClicRBS

+ Para acessar a Enciclopédia Itaú Cultural Literatura Brasileira, clique aqui.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments