Orfandade

Meu Deus,
me dá cinco anos.
Me dá um pé de fedegoso com formiga preta,
me dá um Natal e sua véspera,
o ressoar das pessoas no quartinho.
Me dá a negrinha Fia pra eu brincar,
me dá uma noite negra pra eu dormir com minha mãe.
Me dá minha mãe, alegria sã e medo remediável,
me dá a mão, me cura de ser grande,
ó meu Deus, meu pai,
meu pai.

Adélia Prado, em Bagagem [via Salvos da perfeição].

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments