Pacto de Lausanne apresenta em quinze capítulos parâmetros e diretrizes para Igrejas evangélicas que se comprometem com a sua missão de evangelizar de maneira eficaz e integralmente o ser humano. Apresenta em seus quinze capítulos as bases de fé de uma Igreja evangelizadora, mostrando o propósito de Deus em redimir sua criação, apresentando a Bíblia como autoridade, por ser ela a Palavra de Deus e demonstrando seu poder, visto ser ela a expressão do próprio Deus. O Pacto também chama a atenção para que a interpretação bíblica seja feita de maneira coerente com os princípios do próprio Deus. Assim, o texto aponta para a unicidade de Cristo, ou seja, o seu caráter de único salvador, ou seja, o único meio pelo qual o mundo pode ser salvo. Daí a natureza da evangelização: o anúncio da mensagem de Cristo, o salvador do mundo sem se isolar deste. Por isso a responsabilidade cristã com o meio em que está inserida.

O pacto segue afirmando que a Igreja precisa assumir seu papel de promotora da evangelização do mundo, não podendo se filiar a poderes e sistemas políticos ou sociais, mas sim promovendo a transformação da sociedade. Assim a Igreja deve buscar em seu corpo, nas mais diversas expressões de fé, o apoio necessário para o cumprimento de sua missão, que se apresenta em caráter de urgência diante da inércia das Igrejas face a realidade do mundo. A Igreja não pode, no entanto, confundir evangelização e transformação social com transformação cultural, há que se respeitar, compreender e associar as culturas à mensagem do evangelho. Para isto, há que se investir em educação e capacitação de missionários e líderes dispostos a cumprir o chamado.

O Pacto segue afirmando que a Igreja enfrenta e enfrentará conflitos espirituais no cumprimento de seu chamado, e por isso deve manter-se vigilante nos princípios norteadores de sua fé. Igualmente, enfrentará perseguições, mesmo quando desfrutar de liberdade de atuação. No caso de liberdade de atuação, a Igreja será fortemente atacada por valores que nada tem a ver com os seus valores de fé. No caso de perseguição, a Igreja enfrentará confrontos diretos com esferas de poder estabelecidos social e politicamente.

Nenhum tipo de obstáculo deve ser encarado sem a consciência do pode do Espírito Santo, que o Pai enviou para dar testemunho de seu Filho e que fortalece a Igreja e a sustenta firme em sua tarefa de anunciar o evangelho até o dia em que Cristo voltar.

O texto encerra apresentando a importância da Igreja e cada cristão em se comprometer em orar, planejar e trabalhar juntos na evangelização de todo o mundo.

• Pacto de Lausane. Diversos autores. ABU editora. (103p.)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments