Ver um mundo num grão de areia
e um céu numa flor silvestre,
ter o infinito na palma da sua mão
e a eternidade numa hora

(William Blake)

Em Um céu numa flor silvestre Rubem Alves parte do veros de William Blake e nos apresenta a beleza em diversas perspectivas nas vinte e cinco crônicas. Com sua peculiar maneira de falar das coisas simples de maneira tão envolvente e poética que prende o leitor da melhor maneira possível: você não quer parar de ler e reler.
Os olhos são as portas pela qual a beleza entra na alma(p.75)


• Um céu numa flor silvestre. Rubem Alves. Versus Editora. (164p.)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments