Vivemos em um tempo propício à literatura. O conto, gênero de relato mais adequado à comunicação, é também a forma narrativa que caracteriza a nossa época. Os grandes romances, cuja leitura fica cada vez mais difícil, tornam-se conhecidos à medida que são transformados em contos pelo cinema. Logo se fará o mesmo com a filosofia. À medida de um corretivo estético, uma borracha cósmica, a superficialidade vai apagando dos livros as inutilidades de que os autores não conseguiram se desvencilhar.

Borges referiu-se ao desvario laborioso e empobrecedor dos vastos livros, o de explanar em quinhentas páginas uma ideia cuja exposição oral cabe em poucos minutos.

J. Ernesto Ceschim, em A intimidade e os livros (7 Letras)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments