Eles deixaram de ser vistos como uma ameaça e suas vidas ganharam uma chance de mudar com a literatura

Antes de receber a 56ª Feira do Livro de Porto Alegre, os organizadores já sabiam que precisavam acertar as contas com os donos da praça da Alfândega, no centro da cidade. Na última década, os meninos de rua deixaram de ser vistos como uma ameaça e suas vidas ganharam uma chance de mudar com a literatura.

Sem lar, fugidos da escola ou simplesmente perambulando pelo centro nos horários livres, as crianças pobres que vagavam na feira eram perseguidas pela polícia. No ano 2000, poucos programas atendiam menores de idade nessa situação em Porto Alegre. Eles andavam pelos corredores das barracas fazendo algazarra e incomodando os visitantes. Muitos usavam drogas.

Insatisfeita com a exclusão dos moradores de rua, a coordenadora da programação infantil, a coordenadora da programação infantil, Sônia Zanchetta, criou o projeto Asteroide. Primeiro teve de ensinar que a Brigada Militar não podia hostilizar os meninos como marginais. “Até o rio Guaíba, que é poluído, quando tu vês tem um menino dentro”, brinca a coordenadora. Ao menos 70 deles já foram atendidos em 2010. As crianlas poderiam participar do projeto com uma condição — ficando longe das drogas.

Disciplinar os menores abandonados ganhou esforços para obter alimentação, roupas e higiene – já que a “mulecada” suja e faminta agredia os olhos do público. Ajudaram grandes empresas até pequenos negócios como a lavanderia Chuá e o pipoqueiro seu Zé.Alguns alunos de escolas estavam tendo conflito de horário para visitar o evento e as professoras passaram a controlar a passagem, em vez de reclamar das fugas. Por isso, há dois anos, a Escola Municipal Porto Alegre, maior centros de assistência na região, com 150 jovens, firmou uma parceria com a programação da feira.

Glauber Fernando, 22, no sexto ano supletivo, descobriu a feira aos 12 e está há 10 anos no Asteroide. Desde os nove foi parar nas ruas. Sua primeira noite foi em uma saída de ventilação – o bafo quente – de um ar condicionado junto com outros rapazes. “Só não fiquei nos trilhos do trem porque dá choque”, lembra ele.

Fonte: Folha de São Paulo

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments