Às quatro horas da tarde, Machado de Assis costumava ir à Confeitaria Castelões e “absorver” duas ou três mães-bentas: “excelente processo para abrir a vontade de jantar”, afirmava no jornal “O Cruzeiro”, em 1878, o futuro fundador da Academia Brasileira de Letras (ABL). Assíduo frequentador das casas de doces espalhadas pelas ruas do centro do Rio de Janeiro, Machado viveu e documentou uma época de grandes transformações políticas e culturais no Brasil. Viu o Império se transformar em República, as estradas de ferro cortarem as distâncias tupiniquins e a elite carioca adotar no cardápio a manteiga francesa, a batata-inglesa, o chá, o gelo e, curiosamente, o tomate, que embora nativo da América tropical, só chegou ao Brasil naquele tempo.

O ambiente dos bares e restaurantes da época machadiana é recriado pela cientista social Rosa Belluzzo num detalhado e apetitoso livro, capaz de entrelaçar a história da gastronomia e seus desdobramentos culturais com um inventário de receitas ricamente ilustrado. Lançado pela Editora Unesp, “Machado de Assis – Relíquias culinárias” ensina ao leitor, por exemplo, como fazer um chocolat à la creme como aquele servido nas bodas de prata da princesa Isabel e do conde d’Eu, em 15 de outubro de 1889, ou o brasileiríssimo sorvete de pitanga, que D. Pedro II, acompanhado da imperatriz, ia apreciar na sala reservada da Confeitaria Francioni.

As cenas narradas em romances, crônicas e contos de Machado servem de pistas para a investigação de Rosa. Ela mapeou os bares, restaurantes e confeitarias citados pelo autor, recuperou seus cardápios e reconstituiu as receitas da época para oferecer aos leitores de hoje um rico e bem temperado retrato dos hábitos alimentares no Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX.

Rosa Belluzzo é Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP), pós-graduada em Cooperação Cultural Iberoamericana pela Universidade de Barcelona e pesquisadora na área de antropologia cultural e história da alimentação. Em 2009, publicou “São Paulo – Memória e Sabor”, pela Editora Unesp – obra agraciada com Prix dela Litterature Gastronomique, concedido pela Assembleia Geral da Academia Internacional de Gastronomia (AIG). Ganhou o Prêmio Jabuti em 1999 pelo livro “Cozinha dos imigrantes – memórias e receitas” e o Gourmand World Cookbook Awards 2004 pela obra “Sabores da América – Cuba, Jamaica, Martinica e México”.

LIVRO

Machado de Assis: Relíquias culinárias

Autora: Rosa Belluzzo

Número de páginas: 156

Formato: 23,5 x 24,5 cm

Preço: R$ 80

ISBN: 978-85-393-0075-4

Fonte: Diário do Pará

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments