Deonísio da Silva

O mercado está se organizando para atender a crescentes demandas de ensino da disciplina Língua Portuguesa. Cada vez mais empresas abrem cursos para que seus profissionais aprendam aquilo que as escolas de diversos níveis não lhes deram, embora eles tenham saído dali com diplomas nisso e naquilo.

Quem deu o passo inicial para atender a tal demanda foi na verdade a imprensa. Vários jornais não dispensam manuais de redação e professores de Língua Portuguesa. É o caso da Folha de S.Paulo, com Pasquale Cipro Neto; do Extra, com Sérgio Nogueira; de Zero Hora, com Cláudio Moreno.

São abundantes os erros de ortografia em cartas, informativos, avisos, relatórios e, principalmente, em e-mails. Aliás, a internet prima por oferecer abundantes exemplos de como se escreve mal. Basta ver os comentários aos artigos que ensejam a participação dos internautas. Se tais redações constituíssem prova de Língua Portuguesa no vestibular, a maioria dos comentaristas tiraria zero, pois esta é a nota atribuída a quem não trata do tema proposto. Isto é, não seria necessário o examinador sequer perder seu tempo corrigindo os numerosos erros de ortografia e de sintaxe ali estampados. Descontemos também a arrogância, invariavelmente aliada à ignorância. Todos acham que sabem tudo. Já achavam isso na escola, quando não estudavam nada.

Disciplina indispensável

Nas empresas, os sinais de que algo precisa ser feito são frequentemente reiterados. Não apenas em e-mails, mas principalmente neles, não importa quem seja o destinatário (superior ou colega), os textos semelham misteriosas mensagens cifradas. Contados, descontados e perdoados os tropeços ortográficos, para os quais a tolerância zero não é admitida, o destinatário vê-se diante de um caos, a começar pela falta de clareza, pelo gerundismo, pelas frases soltas, prolixas, sem objetividade alguma. Naturalmente, são perdoados também os cacófatos, as rudezas e a ausência de um mínimo de gentileza e de cortesia no trato com superiores ou colegas.

Em matéria intitulada “A carreira nas alturas” (revista Língua Portuguesa, ano 5, nº 63, janeiro/2011), Adriana Natali identifica o gerundismo como o quarto erro mais comum, depois da falta de clareza, da prolixidade e do uso excessivo do “que”, classificado como “queísmo”. O gerundismo tomou conta de falas e textos nas empresas. Eis alguns exemplos: “Vamos estar mandando isso na semana que vem”; “vou estar transferindo o senhor para o vendedor”; “ninguém sabe quando ele vai estar voltando”. Etc.

A concordância verbal (“segue (sic) os documentos solicitados”), a confusão entre “a” e “há” (“a” indicando o futuro; “há”, o passado), a má colocação dos pronomes e os problemas de pontuação completam o caos.

Como as escolas falharam, as empresas tratam de consertar. De todo modo, desde há alguns anos, diversas faculdades e universidades vêm tornando indispensável a disciplina Língua Portuguesa em todos os cursos superiores que oferecem.

São bons recomeços, mas ainda insuficientes.

Fonte: Observatório da Imprensa

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments