Miojo, pipoca de micro-ondas, pizza, sanduíche, salgadinho, muito café e muito refrigerante. Se esse é o seu cardápio básico e você sente orgulho por não pisar na cozinha, saiba que há uma nova geração de geeks que pensa justamente o contrário.

Projetar, testar, experimentar, errar e aperfeiçoar – os verbos mais conjugados por todos os tipos de programadores e profissionais de tecnologia – são as regras básicas para cozinhar bem e ser mais saudável. É o que tenta provar o cozinheiro por hobby e desenvolvedor de software por formação Jeff Potter, no seu recém-lançado livro Cooking for Geeks: Real Science, Great Hacks, and Good Food(Culinária para Geeks – Ciência, Hacks e Boa Comida, ainda sem versão em português).

Além de testar e dominar receitas malucas, como o bolo assado em 30 segundos, e ensinar a cozinhar alimentos usando nitrogênio líquido, Potter entrevistou personalidades do mundo nerd. Ele criou um cardápio baseado no cenário mais comum para quem vive envolto por códigos e máquinas e tem pouco tempo, pouco dinheiro e muita preguiça. “Meu desejo é fazer com que as pessoas gastem mais tempo prestando atenção em como comer, em vez de apenas agarrar o primeiro pacote de batata chips que aparecer na frente”, disse Jeff Potter à INFO. Para ele, quem cozinha tem melhor saúde. “Fazer sua própria comida é uma maneira de ter total controle sobre o tipo de substância que você coloca dentro do seu corpo”, diz.

O jeito geek de cozinhar

Entre as pessoas entrevistadas por Potter estão Adam Savage, apresentador do programa MythBusters, do Discovery Channel, e Xeni Jardin, do blog Boing Boing. Os dois têm em comum o sucesso entre o público mais nerd do planeta e a paixão por cozinhar. No livro Cooking for Geeks, Savage confessa que, na cozinha, aplica técnicas que desenvolveu enquanto quebrava e explodia coisas no seu programa. “Mudar apenas uma variável de forma isolada é a coisa mais difícil de ser feita. Não estou falando de mudar várias coisas. Somente quando você altera apenas uma das variáveis é possível perceber quais são as diferenças entre os resultados obtidos no primeiro e no segundo teste. Só assim há clareza sobre os processos”, diz Savage. “Eu e minha esposa somos cozinheiros empolgados e amamos fazer coisas elaboradas, brincando de alterar as variáveis e, assim, aprender como as coisas funcionam”, afirma o apresentador.

Usar a web para improvisar é uma saída para perder o medo de errar nas panelas. “Certo dia, uma das editoras do Boing Boing viajou para o Nepal e escreveu dizendo que, se pudesse, comeria dal bhat (prato típico feito com arroz e lentilhas) todos os dias. Isso me trouxe lembranças das minhas viagens pelo Himalaia e decidi fazer dal bhat aqui mesmo em Los Angeles. Depois de encontrar várias receitas no Google, misturei dicas de todas elas e acabei inventando minha própria versão do prato”, conta a blogueira Xeni Jardin.

Brincar com os ingredientes e receitas não é a única forma de transformar o ato de cozinhar numa experiência mais interessante. Estudar as propriedades dos alimentos e saber explorar sua versatilidade é outro mandamento pregado pelo livro. De acordo com a temperatura e o tratamento de cada ingrediente, é possível saber quanta energia ele pode gerar para o seu corpo na forma de macronutrientes (gordura, carboidratos e proteínas) e micronutrientes (vitaminas e minerais). Não se trata apenas de ingerir menos calorias. É uma questão de entender e dosar o jeito como seu corpo funciona. É um verdadeiro hack biológico.

“A comida processada industrialmente”, diz o autor, “é criada para manter sua consistência e estabilidade pelo maior tempo possível e, assim, não estragar.” Para alcançar esse objetivo, o valor nutricional desses alimentos é invariavelmente prejudicado. O que fazer para fugir disso? Escolher alimentos saudáveis e cozinhar de forma inteligente. “Pode soar engraçado, mas o microondas é seu amigo! Batatas ou inhame são cozidos muito bem no micro-ondas. Alimentos como legumes congelados também são práticos e saudáveis. Eles são congelados rapidamente depois da colheita e não perdem seus nutrientes. Em ambos os casos, são gastos poucos minutos para preparar os pratos”, ensina Jeff Potter.

Outra dica simples do livro é escolher melhor os tipos de carboidratos e gorduras que você consome. Cortá-los do cardápio não é necessário. É melhor consumir gorduras em estado líquido, como o azeite, do que em estado sólido, como a manteiga. Da mesma forma, é melhor fugir de farináceos de cor branca, como farinha de trigo, arroz e açúcar refinado, e preferir os integrais. Mais um incentivo aos cozinheiros de primeira viagem é o perfil no Twitter da cozinheira Maureen Evans. Ela publica receitas em apenas 140 caracteres. Isso prova que cozinhar não é tão complicado quanto pode parecer. “Costumo dizer às pessoas que queimar o jantar não é falhar, desde que você tenha aprendido alguma coisa durante esse processo”, diz Jeff Potter.

Fonte: Info

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments