JC Davies é uma ex-analista de Wall Street que decidiu ter encontros com homens de diferentes raças e escrever um livro sobre o assunto. Agora, está sendo criticada por não ser “politicamente correta”. Sua obra chama-se I Got The Fever: Love, What’s Race Gotta do with it? [Estou com sede de amor: o que a raça tem a ver com isso?] A proposta é examinar os mitos sobre os amantes numa relação interracial.

Segundo a autora, 20 anos de experiência própria com namoros e centenas de entrevistas ajudaram-na a apresentar um visão fascinante sobre as diferenças culturais.

Cover girl: Author J.C. Davies, pictured on the cover of her book, which examines myths about interracial loversDavies, 42 anos, que aparece cercada de homens mais novos na capa do livro (foto), afirma que os latinos são machistas e possessivos, os asiáticos são ruins de cama e os negros não gostam de falar. 

O guia tem uma seção diferente para cada raça, onde ela analisa diferentes aspectos da vida íntima com seus ex-namorados. Ao falar de seu atual namorado, que é iraniano-judeu, descreve sua expressão facial na cama como “o rosto de um terrorista.”

Ela disse ao New York Post: “Ninguém tem a coragem de escrever sobre sexo e cultura de uma forma real. Você tem que usar palavras difíceis, ser o professor do blá-blá-blá e mostrar tabelas e gráficos.

“A expectativa é  que todo negro seja bom de cama e tenha um equipamentos de grande porte. É isso que as pessoas realmente querem saber? Vamos perguntar isso a algumas pessoas”

Ela revela que os resultados foram surpreendentes. Se diz chocada ao descobrir que a maioria dos homens latinos são machistas e possessivos, já que seu ex-marido era um latino  “muito doce, mais não muito macho.”

Também menciona uma pesquisa realizada pelo site de namoro OK Cupid, que mostrou que o interesse em música e dança era algo importante para os latinos.

Davies constatou que, na maioria das vezes, os judeus não eram pão-duros e que os negros se interessavam por basquete. Afirma ter ficado surpresa com algumas conclusões sobre os asiáticos. Ela descobriu que eles têm a tendência de serem materialistas.

Ela acredita que seu livro tinha o potencial para ser uma “Bíblia do novo namoro”, e espera ter o memso sucesso de “As regras” e “Ele não está tão a fim de você”, que inclusive tornaram-se filmes.

“Um monte de livros atuais dizem: Você é um capacho patético e precisa mudar a si mesmo. O meu nos fortalece. Este livro permite que você escolha de quem gosta”, explica Davies, que começou a escrever depois de ter sido despedida pela Goldman Sachs em outubro acabou perdendo seu apartamento.

Um amigo sugeriu que ela mudasse de carreira, e escrevesse sobre como é namorar rapazes negros. No início ela achou a idéia desgastada, por isso quis fazer algo que considera original. Ela fica triste por que muitos a consideram racista, algo que ela afirma nunca ter sido. Mas sua pesquisa não resultou em uma preferência por um determinado tipo de homem. “Muitas pessoas têm preferência pela sua própria raça. Não acho que tenha algo de errado nisso”, completa.

Ela conta ainda que alguns de seus ex-namorados ficaram entusiasmados com o livro. Embora um deles, que não foi citado, disse ter ficado triste.

Agência Pavanews, com informações de Daily Mail

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments