Texto escrito por Graciliano Rocha, no UOL.

Os deputados do Rio Grande do Sul aprovaram uma lei para banir o bullying, o spam, o pizzaiolo e qualquer outro vocábulo estrangeiro sem estar acompanhado tradução nas propagandas e documentos oficiais do Estado.

Aprovada por 26 votos a 24, a lei foi proposta pelo deputado Raul Carrion (PC do B) e institui a obrigatoriedade da do uso de expressões em português no lugar das estrangeiras “em todo documento, material informativo, propaganda, publicidade ou meio de comunicação através da palavra escrita” no Estado.

Ainda caberá ao governador Tarso Genro (PT) sancionar ou vetar a lei.

O principal alvo da regulamentação são estrangeirismos que poderiam ser facilmente substituídos por palavras em português, como os anúncios que trazem o termo “sale” no lugar de “liquidação”, mas a lei vai além.

Quando não houver uma expressão equivalente em português, diz o texto aprovado, uma tradução deverá acompanhar com o mesmo tamanho e destaque o intruso linguístico.

Fosse aplicado tal qual o texto aprovado, o princípio obrigaria uma propaganda de restaurante japonês, por exemplo, a explicar que sashimi são fatias de peixe cru.

A reportagem não conseguiu falar com o deputado. No texto de justificativa do projeto, ele acusa a existência de uma “acelerada descaracterização da língua portuguesa, tal a invasão indiscriminada e desnecessária”.

Além de ser considerada inócua por linguistas, para quem idiomas são sistemas “vivos” em constante transformação, a iniciativa enfureceu o mercado publicitário gaúcho, potencialmente o maior prejudicado pela lei.

“É uma coisa insana querer engessar a língua. Mas, como não prevê punição, é mais uma lei que não vai pegar”, diz Alfredo Fedrizzi, dono de uma agência de publicidade em Porto Alegre.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments