Bienal do Livro abre alas para um segmento repleto de best-sellers com espaço para jovens leitores se aproximarem de seus autores preferidos

Texto de Lilian Fontes publicado originalmente na Veja

 

Hillary Duff posa com fãs na porta do Copacabana Palace, onde está hospedada durante a Bienal do Livro

Hillary Duff posa com fãs na porta do Copacabana Palace, onde está hospedada durante a Bienal do Livro (André Freitas e Delson Silva/AgNews)

A comoção na porta do hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, foi digna de popstar internacional. Mas a estrela em questão faz parte de uma categoria relativamente recente nessa turma que faz adolecentes dar gritinhos, roer unhas e bater palmas de felicidade quando conseguem uma foto com seu ídolo. Além de cantora e estrela de seriado de televisão, Hillary Duff é escritora, e é no desempenho desse papel que ela está no Rio de Janeiro, convidada para a XV Bienal Internacional do Rio de Janeiro. Seu livro Elixir, lançado no Brasil pela editora iD, está na lista dos mais vendidos do The New York Times e confirma o fabuloso potencial da literatura juvenil.

Na Bienal do Rio, esse rico filão está sintetizado em um espaço novo, o Conexão Jovem, que vai receber Hillary e outros fenômenos de vendas. Também participarão das sessões de bate-papo e tietagem explícita Alyson Noël, cuja série Os Imortais (Editora Intrínseca) vendeu mais de 300 mil exemplares em um ano e meio no Brasil; Lauren Kate, da série Fallen, e a best-seller brasileira Thalita Rebouças, que estourou com a série “Fala sério” (mãe, pai, professor etc) e no final de junho comemorou a venda de seu primeiro milhão de livros. O fenômeno é mundial. Segundo Jorge Oakim, da Intríseca e Ana Lima, do selo Galera Record, (Grupo Record) tanto na Europa, como nos Estados Unidos, este é o setor que mais cresce.

Cena da primeira parte de Crepúsculo - Amanhecer

Meg Cabot, autora americana da série de dez volumes, O Diário da Princesa e da série As leis de Allie Finkle para meninas (Galera Record), pode ser considerada uma autora best-seller no Brasil, pois já ultrapassou a faixa de um milhão de títulos vendidos.
Atualmente, quem vem ocupando os primeiros lugares de venda é o americano Rick Riordan, autor de O Herói Perdido, O Ladrão de Raios e O Último Olimpiano, editado no Brasil pela Editora Intrínseca. A série Percy Jackson e os Olimpianos, sobre mitologia grega, vendeu, só aqui, 1,4 milhão de exemplares.

A temática predileta dos autores juvenis versa sobre titãs, semideuses, magia e vampiros, mesclados com uma dose de romance e fantasia – que atrai também adultos que gostam de mitologias e aventura. Um filão iniciado pelo escritor britânico J.R.R. Tolkien, cujo O Senhor dos Anéis, escrito entre 1937 e 1949 e traduzido para mais de 40 línguas, vendeu mais de 150 milhões de cópias, tornando-se um dos trabalhos mais populares da literatura do século XX. A escola de Tolkien tem entre seus seguidores Stephenie Meyer, autora da saga de amor de Bella Swann pelo vampiro Edward Cullen – que rendeu à Editora Intrínseca seu primeiro best-seller, com O Crepúsculo e Lua Nova – – Editora Intrínseca),e a já clássica J.K. Rowling, de Harry Potter.

Ao ver esse mercado crescer, algumas editoras passaram a criar selos exclusivos para atender a esse setor, como é o caso da Galera Record, do Grupo Record e da Rocco Jovens Leitores, da Editora Rocco.
No Brasil, Pedro Bandeira, autor de a, A Droga da Obediência, A Droga do Amor, da série Os Karas (Editora Moderna) e de mais de setenta livros, dentre eles alguns infantis, até 2010, tinha vendido mais de vinte e dois milhões de exemplares.

E preparem-se: com a era dos livros digitais – as editoras já estão se movimentando para o lançamento dos títulos em e-book – a galera familiarizada com iPhones e iPads, com a possibilidade de baixar os livros em seus gadgets, vai ler ainda mais.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments