Publicado originalmente na Época

Relatório do Programa Internacional de Avaliação de Alunos perguntou para estudantes de 65 países se eles gostavam de ler. Estudo descobriu que meninas têm mais gosto pela leitura do que meninos

Aluno lê no horário de aula, na Alemanha. Estudo da OECD mostra que menos estudantes dizem gostar de ler (Foto: Sean Gallup/Getty Images)

Aluno lê no horário de aula, na Alemanha. Estudo da OECD mostra que menos estudantes dizem gostar de ler (Foto: Sean Gallup/Getty Images)

Você lê para se divertir? Um relatório publicado pelo Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês), um programa internacional criado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD) que avalia estudantes de 15 anos no mundo todo, perguntou aos estudantes se eles tinham prazer pela leitura, ou se encaravam a leitura como uma obrigação.

O estudo encontrou uma tendência que se repete em quase todos os países estudados: meninas gostam mais de ler do que meninos. Em média, 52% dos meninos disseram que gostam de ler. Quando apenas as meninas são consideradas, 73% disseram gostar de ler. O padrão se repete em 64 dos 65 países estudados, inclusive no Brasil, e o único país onde a porcentagem é a mesma para meninos e meninas é a Coreia do Sul.

A tendência mais preocupante, no entanto, é que na maioria dos países da OECD os estudantes estão relatando que gostam menos de ler, se comparado com a mesma pesquisa realizada em 2000. Preocupante porque, segundo o Pisa, estudantes que gostam de ler têm mais chances de ser bem sucedidos profissionalmente. “Em média, os alunos que leem diariamente por prazer têm pontuação equivalente a um ano e meio a mais de escolaridade do que aqueles que não gostam de ler.”

O Brasil não ficou mal na avaliação: está na 16ª posição na média, entre 65 países. Mais estudantes brasileiros disseram que gostam de ler do que estudantes do Canadá, Alemanha, Japão, entre outros países ricos. Os países que tiveram a maior porcentagem de estudantes que disseram ter prazer na leitura foram Cazaquistão, Albânia e China (Xangai).

O número parece alto (e é, se comparado aos outros países da lista), mas ainda assim é decepcionante. Na entrevista realizada para o estudo, os pesquisadores consideraram não só os clássicos de Shakespeare ou Machado de Assis, mas também jornais, revistas e histórias em quadrinho. Há uma parcela relevante de estudantes que não gostam de ler sequer as histórias de super-heróis, clássicos da Disney ou gibis da Turma da Mônica.

Além disso, o 16º lugar do Brasil não condiz com o resultado do último ranking de leitura do Pisa, divulgado em 2009 (o programa atualiza o ranking a cada três anos): no índice de leitura, os estudantes brasileiros ficaram apenas em 49º entre os 65 países. Ou seja, os estudantes brasileiros dizem que gostam de ler, mas os resultados indicam que poucos de fato desfrutam de leitura diária.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments