Publicado originalmente por Carlos André Moreira em Zero Hora

As paredes da casa térrea na Rua General Salustiano, 214, no Centro, protegem uma história de vida de 72 anos marcada pela descoberta e pela paixão dos livros. Uma trajetória tão rica que, se não virou um romance, inspirou uma obra de arte desta 8ª edição da Bienal do Mercosul. A livraria de seu João de Souza Machado, defronte a Usina do Gasômetro, tornou-se a única da Capital incluída no módulo Cidade Não Vista. No projeto, artistas convidados realizam intervenções e instalações em uma paisagem local muitas vezes ignorada por seus habitantes na correria da rotina.

O prédio aloja o sebo Garagem dos Livros, instalado ali há dois anos por Machado. Em estantes que ocupam todas as paredes, seu João dos Livros, como ele mesmo se denomina, mantém exemplares antigos de obras literárias, manuais técnicos, enciclopédias e uma grande quantidade de literatura de temas esotéricos. O espaço da livraria, localizado bem defronte os pilares do aeródromo e a Usina do Gasômetro, foi apropriado pela Bienal com uma intervenção de Elida Tessler, que transformou o lugar em obra de visitação artística, o que fez de seu João anfitrião informal dos que aparecem na livraria para testemunhar ao vivo o encontro entre livraria e galeria de arte.

Conheça o sebo de seu João dos Livros:

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments