Em 2012, comemora-se o centenário do nascimento de Jorge Amado e passam 110 anos do nascimento de Drummond de Andrade. No Brasil, prepara-se um filme, exposições e novas edições

 “A ideia é que este ano não acabe nunca.” O ano é 2012, quando se comemora o centenário de nascimento de Jorge Amado, e quem o diz é a sua neta Cecília

Publicado originalmente por Isabel Coutinho, no Ipsilon

Uma carta inédita que Jorge Amado (1912-2001) escreveu para Zélia Gattai, de Paris, em 1948, quando o militante do Partido Comunista Brasileiro estava no exílio, pode ser lida em Blog da Companhia, o blogue da editora brasileira que desde 2008 publica a obra do escritor baiano. “Minha negra querida: toda a saudade do mundo. Há uma semana que não tenho cartas tuas. Recebi recortes de S. Paulo, pela letra conheci terem sido enviadas por ti, donde depreendi que já estavas em S. Paulo. Mas depois da carta começada no sítio e terminada no Rio, não recebi nenhuma outra e estou preocupado.” Faz parte do livro Jorge & Zélia, que será publicado em Agosto de 2012, e foi divulgada no blogue para assinalar o início da apresentação das comemorações do Ano Jorge Amado na semana em que o baiano faria 99 anos de idade.

“A ideia é que este ano não acabe nunca”, brincou Cecília Amado, neta do escritor, durante a conferência de imprensa onde foi apresentado o programa. Ela é a realizadora e a argumentista do filme Capitães da Areia, baseado no livro homónimo que o seu avô escreveu em 1937 e que é um dos pontos altos das comemorações. O filme (www.capitaesdaareia.com.br) deverá ser apresentado pela primeira vez no Festival do Rio e estreia comercialmente no Brasil a 14 de Outubro, ainda no decorrer do festival, que se estende de 6 a 18 de Outubro. O produtor português Tino Navarro, da MGN Filmes, é co-produtor desta longa-metragem que tem participação da RTP e apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual. Estreará nas salas portuguesas em Novembro, ainda sem data definida, mas com estreia tão próxima do Brasil quanto possível.

Os actores, que interpretam Pedro Bala, Professor, Gato, Sem-Pernas, Boa Vida e Dora têm entre 12 e 16 anos e foram escolhidos pela realizadora em várias ONG de Salvador que trabalham com dança, capoeira e teatro. Numa entrevista ao jornal O Globo Cecília Amado explicou que não seguiu o livro à risca. “Muitas histórias estão resumidas num olhar, numa personagem”, disse Cecília, que escolheu Carlinhos Brown para a banda sonora deste seu primeiro filme.

Para Tino Navarro, o filme traz o “olhar de quem acredita que as pessoas são boas naturalmente e que é a fome e a exclusão que as leva a praticar actos menos dignos”. Mesmo quando o fazem “não perdem a dignidade.” Lembra que é a visão tradicional do neo-realismo de raiz de esquerda, que reproduz a luta de classes, os conflitos internos no grupo das crianças e é também um olhar que as mostra como vítimas da sociedade, sem que se deixe de ter esperança neles. “Ao contrário de outros filmes que foram sendo feitos sobre a realidade brasileira e já não têm esse olhar, que é hoje mais cínico e mais desencantado”, afirma o produtor.

Samba & fotografia

Outro dos momentos mais importantes que marcarão o centenário do nascimento do autor de Gabriela, Cravo e Canela – livro de 1958 que dará origem também a um musical encenado por João Falcão – é a exposição Jorge, Amado e Universal que em Março ocupará parte do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, onde ficará até Julho. Irá depois para o Museu de Arte Moderna de Salvador até Outubro de 2012 e passará ainda por Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e três países estrangeiros, ainda não revelados. O curador da exposição é o director do Instituto Brasil Leitor, William Nacked. A exposição terá quatro temas: Jorge por Jorge,Jorge por TerceirosJorge Internacional e A Produção de Jorge.

Na editora brasileira Companhia das Letras sairá a versão ilustrada das suas memórias, Navegação de Cabotagem (1992), com fotografias que a artista suíça Hildegard Rosenthal fez do escritor, que começou a trabalhar aos 14 anos como jornalista do Diário da Bahia, e com apenas 18 anos publicou o seu primeiro romance, O País do Carnaval. E ainda sairá o primeiro volume do Catálogo Fotográfico de Zélia Gattai – A Casa do Rio Vermelho, que tornará públicas mais de mil fotografias do escritor com a família em Salvador. Em Portugal, a Dom Quixote publicará novas edições dos livros mais emblemáticos do autor de Dona Flor e Seus Dois Maridos(1966), tal como já fez com Os Subterrâneos da Liberdade (1954).

Em Fevereiro, Jorge Amado será tema da escola de samba do Rio de Janeiro, Imperatriz Leopoldinense, e também tema do Carnaval de Salvador. Na próxima segunda-feira inicia-se o Curso Jorge Amado 2011 – I Colóquio de Literatura Brasileira, promovido pela Academia de Letras da Bahia e pela Fundação Casa de Jorge Amado. E em breve estará a funcionar o portal http://www.centenariojorgeamado.com.br com toda a programação do centenário.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments