Livros como  1984  e  O Diário de Anne Frank  ajudam a compreender o período do nazismo. Foto: DivulgaçãoLivros como 1984 e O Diário de Anne Frank ajudam a compreender o período do nazismo
Foto: Divulgação
 

Publicado no Terra

Debruçar-se sobre livros é regra para quem deseja estudar um conteúdo histórico. Contudo a tarefa não precisa se restringir a livros didáticos e apostilas escolares. O professor de História Cristiano Catarin explica que a leitura de romances é um ótimo aliado para os alunos, que podem entender melhor o contexto da época estudada de uma forma agradável. “Os romances também são importantes fontes para estudar e investigar a História, desde que sejam tratados com critério e não considerados, pelos alunos, professores e pelos próprios historiadores, como recurso exclusivo”, afirma ele, que também é criador do blog História para Estudantes.

O professor da rede pública de São Paulo considera a literatura uma boa alternativa para atrair os estudantes a visitar o cotidiano de personagens não emblemáticos ou popularizados pelas publicações didáticas mais específicas. De acordo com ele, o nazismo é tema de um vasto número de títulos. Confira algumas dicas de livros sobre esse período da história que podem ocupar aquele espaço vazio na sua cabeceira:

A Menina que Roubava Livros
Publicado em 2006 pelo australiano Markus Zusak, o livro conta a história de uma garota que fora adotada em 1939 por uma família alemã que residia na cidade de Molching, na Alemanha, antes de ser atingida pelos horrores da guerra. Neste contexto, a menina Liesel procura entender, dentre outras questões, a presença de um homem judeu que vivia escondido no porão da casa.

Para o professor Cristiano Catarin, o romance é importante pois revela que nem todos os alemães eram a favor do movimento nazista. Além disso, a partir do olhar de Liesel, o leitor consegue compreender o cotidiano de uma família que era contra o nazismo e a vida de uma pessoa pertencente a uma etnia que fora terrivelmente perseguida pelo sistema. “Esses aspectos contribuem para a assimilação dos estudos históricos desta temática”, diz o professor. Para fugir de uma realidade sofrida e cheia de bombardeios, Liesel busca refúgio na leitura, e é a partir daí que ela começa a roubar livros.

1984
Apesar de não falar do nazismo diretamente, o professor Catarin considera o romance de George Orwell como uma boa metáfora para os estudantes entenderam como funcionava a dominação do governo no período nazista. O livro conta a história de Winston Smith, um membro do partido totalitário IngSoc que tomou o poder da Oceania (país criado pelo autor) a partir da figura do Grande Irmão (Big Brother), personalidade maior do partido político.

O trabalho de Winston como funcionário do Ministério da Verdade é reescrever e alterar dados históricos de acordo com o interesse do partido. Dessa forma, o Grande Irmão conseguia manipular o pensamento do povo, fazendo-o odiar o inimigo que o partido quisesse. “O autor também retrata o pessimismo contido na humanidade do pós-guerra”, destaca Catarin.

A Estrada de Flandres
Publicado pela primeira vez em 1961, o autor Claude Simon aborda em seu romance a morte de um aristocrata e capitão da cavalaria na Segunda Guerra Mundial. O Capitão de Cavalaria De Reixach foi morto por um atirador alemão na Estrada de Flandres. Antes, indiferente ao perigo que o cercava, o capitão seguia passo a passo com o que restava de sua tropa: ele, um suboficial, o ordenança e um cavalariano, narrador deste romance.

Para o professor, o romance é uma ótima leitura, pois mostra a derrota da França pelos nazistas em 1940. “A obra considera ainda concepções e perspectivas sobre o suicídio, o morrer, o criar, o procriar, a memória, etc. Algo denominado pelo autor como aprendendo a viver e aprendendo a morrer”, afirma.

O Menino do Pijama Listrado
Do autor John Boyne, o livro mostra a história de uma família nazista sobre a perspectiva de um menino de 9 anos, Bruno. Filho de um oficial nazista, Bruno não sabe nada sobre o Holocausto, apenas lamenta que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa de Berlim e mudar-se para uma região isolada (onde seu pai podia controlar um campo de concentração). Da janela do seu quarto, o menino conseguia ver uma cerca, onde viviam centenas de pessoas vestindo sempre uniforme. Ao ir até lá escondido, Bruno começa uma amizade com um menino “de pijama listrado”.

Ao mesmo tempo em que mostra a vida da família do oficial nazista, o romance narra as descobertas de uma criança sobre os horrores da guerra. O sucesso do livro foi tanto que a história saiu das páginas e foi parar nas telas: o livro foi adaptado para o cinema pelo diretor Mark Herman, em 2008.

O Diário de Anne Frank
O livro não é ficção, e sim um pedaço da realidade judaica em tempos de guerra. Escondida com sua família e outros judeus em um porão em Amsterdam durante a ocupação nazista nos Países Baixos, Anne Frank conta em seu diário a vida deste grupo de pessoas. Pelo olhar dessa menina de 13 anos, o leitor consegue entender os anseios de um judeu durante a Segunda Guerra Mundial.

O esconderijo foi descoberto em 1944, e Anne Frank morreu em um campo de concentração. Otto Frank, seu pai e único sobrevivente da família, publicou o diário da filha em 1947.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments