Publicado: Publico.PT

Uma editora católica argentina foi obrigada a retirar do mercado um livro sobre sexualidade e diversidade das famílias. O seu autor, o pastor metodista Pablo Manuel Ferrer, defende que “a sexualidade é um desejo válido”.

O livro, cujo título em castelhano é “Parejas y sexualidad en la comunidad de Corinto”, tinha sido publicado em 2010 pela editora argentina San Pablo. Mas agora a editora recebeu uma carta do responsável pela Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal norte-americano William Levada, com advertências sobre “opiniões contrárias à doutrina da Igreja acerca da sexualidade”, noticiou o diário espanhol El País.

Na carta, enviada a 5 de Novembro, é feito um pedido para que a situação “seja remediada o quanto antes”. Alguns dias depois a editora retirou das lojas todos os exemplares da obra, eliminou-a do seu catálogo e proibiu que seja publicitada em qualquer das suas publicações.

O livro centra-se na questão da diversidade das famílias e tinha sido publicado no âmbito de uma colecção de obras ecuménicas e de reflexão sobre temas bíblicos. Para a edição da colecção foram convidados vários teólogos de outras igrejas, entre eles o pastor metodista Pablo Manuel Ferrer, de 40 anos.

“Quando me convocaram para publicar um livro estranhei, mas pareceu-me muito interessante a questão ecuménica”, disse Ferrer ao El País. Este pastor metodista até já tinha pensado em escrever um livro sobre casais e sexualidade porque, adiantou ao diário espanhol, “Jesus abriu novas possibilidades”.

Exigiu que a editora não alterasse “nem uma vírgula”, e o livro acabou por ser publicado tal e qual como Ferrer o tinha escrito. “A leitura bíblica tem uma diversidade de interpretações. Também a tive no momento de escrever. A Bíblia não é homogénea”, adiantou.

A carta enviada à editora do livro terá tido origem numa denúncia ao Vaticano. A obra não refere a questão da homossexualidade, do aborto ou dos anticonceptivos, mas fala da diversidade das famílias, e é por isso que o autor julga ter desagradado ao cardeal Levada. “A minha obra é sobre a carta em que o apóstolo Paulo responde à comunidade de Corinto, de onde lhe dizem ‘Bom é para o homem não tocar na mulher’. Isso implica dizer que o desejo é perigoso. Paulo responde que o desejo existe. O meu livro fala da sexualidade como um desejo válido”, adiantou Ferrer ao El País.

Professor no Instituto Superior Evangélico de Estudos Teológicos de Buenos Aires, na Argentina, Ferrer sublinha que “no tempo em que o Império Romano quis impor normas para a família, o apóstolo Paulo defendeu que devia haver diversidade”. E adianta: “O meu livro deve ter causado ruído porque digo que a família composta por pai, mãe e filho é uma das possíveis construções familiares”.

No livro, Ferrer deixa bem claro que não é católico. O facto de a obra ter sido retirada das livrarias deixou-o surpreendido. “Não esperava que acontecesse isto, mas é evidente que a Igreja Católica oficial foi muito severa. (…) A mim o cardeal não pode fazer nada, mas se fosse um sacerdote já devia estar a dar explicações.”

Ferrer não sabe se tentará publicar o livro por outros meios, uma vez que cedeu direitos de autor à editora San Pablo. Mas garante que se a obra voltar a ser publicada “serão acrescentados outros capítulos sobre homossexualidade”.

Ainda nesta segunda-feira, o Papa Bento XVI criticou as políticas de alguns países e defendeu que, ao questionar a família tradicional baseada na união entre um homem e uma mulher, “ameaçam a dignidade humana e o próprio futuro da humanidade”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments