Conheça a obra de Boca do Infeno, autor que foi considerado o maior poeta barroco do Brasil, conhecido pela sua poesia realista e brasileira

Publicado no Universia

(Crédito: Wikipédia)

A sátira de Gregório constitui uma parte muito original de sua poesia / (Crédito: Wikipédia)

Gregório de Matos, também conhecido comoBoca do Inferno ou Boca de Brasa, foi um advogado e poeta do Brasil Colônia. Gregório é considerado o maior poeta barroco do Brasil, e também o mais importante poeta satírico da literatura em língua portuguesa no período.

 

A sátira de Gregório constitui uma parte muito original de sua poesia, já que foge completamente dos padrões pré-estabelecidos pelo barroco vigente. O autor se volta, na verdade, para a realidade baiana do século XVII.

 

Por esse motivo a poesia de Gregório de Matos é conhecida como “realista e brasileira”, não somente pelos temas escolhidos, mas também pela percepção crítica da exploração colonialista empreendida pelos portugueses na colônia. A poesia do autor talvez seja a primeira manifestação nativista de nossa literatura, já que incluía também termos indígenas e africanos, além de palavrões, gírias e expressões locais.

 

Faça o download da obra de Gregório de Matos:

 

Crônica do viver Baiano Seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Alguns passos discretos e tristes

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Andanças de uma viola de cabaça

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Antônia

Crônica do viver Baiano Seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Betica

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Briga, briga

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Cota

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Custódia

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Joana

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Letrados

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Mariana, apelidada a rola

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Pança farta e pé dormente

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Adãos de Massapê

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Ângela

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Brites

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Maria João

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Opúsculo de Pedro Alz. da Neyva

Crônica do viver baiano seiscentista – A Cidade e seus Pícaros – Teresa

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – Os Homens Bons

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – A musa praguejadora

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – A nossa sé da Bahia

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – Espada e espadilha

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – Juízes do Iguaraçu

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – Pessoas beneméritas

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – Pessoas muito principais

Crônica do viver baiano seiscentista – Os Homens Bons – Santos unhates

Crônica do viver baiano seiscentista – Bárbora ou Babu

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – O Burgo

Seleção de Obras Poéticas

Seleção de Obras Poéticas I

Seleção de Obras Poéticas II

 

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments