Biografia ‘This Is a Call: A Vida e a Música de Dave Grohl’, lançada em setembro nos EUA, chega pela Leya ao Brasil, onde o músico toca neste sábado

Publicado na revista

Getty Images

Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters

                                                                  Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters

Ser um roqueiro pressupõe ao menos algum tipo de comportamento transgressor. A figura da estrela do rock é, por definição, e assim tem sido durante toda a história do gênero, a do homem de cabelos compridos, barba malfeita, visual largado, que enche a cara, usa drogas, e tem todas as mulheres do mundo a seus pés. Os Beatles passaram por essa fase, e os Rolling Stones, então, nem se fala. Bob Dylan e Neil Young, idem. O mesmo valia para o glam rock, nos anos 1980, e para o rock alternativo nos 90, década em que o baterista David Eric Grohl se juntou a uma das bandas que mudariam a história do rock para sempre: o Nirvana, extinto com a morte do vocalista Kurt Cobain, em 1994. Hoje, Dave, como é chamado por todos, é uma estrela e lidera um dos grupos mais importantes da atualidade, o Foo Fighters, que sobe ao palco do festival Lollapalooza, em São Paulo, neste sábado. Mas, do estereótipo de rock star, só lhe sobraram os cabelos longos e a barba. Casado, pai de família e dono de um carisma invejável dentro e fora dos palcos, Grohl é considerado “o cara mais legal do rock”.

A simpatia do músico é o fio condutor de duas biografias que saem este mês no Brasil: Dave Grohl – Nada a Perder (tradução de Tony Aiex, Edições Ideal, 240 páginas, 35 reais), de Michael Heatley, uma versão atualizada do livro lançado em 2006 nos Estados Unidos e ainda inédito aqui; e a nova This Is a Call: A Vida e a Música de Dave Grohl (tradução de Texto Editores, Editora Leya, 400 páginas, 39,90 reais), de Paul Brannigan, que saiu em 2011 nos EUA e chega agora ao Brasil. Os dois autores são fãs de Grohl e sabem muito sobre o músico. Heatley ainda tem a vantagem de ser um expert em biografias de roqueiros, com livros sobre Bon Jovi, John Lennon e Paul McCartney, entre outros, no currículo. Mas é Brannigan, crítico de música britânico que chefiou a revista Kerrang! em sua melhor fase, quem leva a melhor no trabalho de narrar a trajetória do líder do Foo Fighters. Ainda que profissional, a relação que construiu com ele ao longo dos quase 20 anos em que escreve sobre música o permitiu se aprofundar na história de Grohl. E tirar dele citações ótimas. Não por acaso, uma delas – “Me ligaram e disseram que Kurt tinha morrido. Perdi o rumo” – virou a capa do livro, que compila entrevistas.

“Dave é um cavalheiro. Quando disse a ele que queria fazer o livro, propus que fizéssemos uma biografia autorizada, mas ele não gosta da ideia. Diz que não quer ter uma biografia enquanto estiver vivo. Mas tudo o que precisei fazer, entrevistas e fotos, ele deixou. Essa história do cara mais legal está se tornando um clichê, mas, até que eu conheça alguém mais legal, está valendo. Dave é gente boa mesmo, genuíno, e não só com as pessoas com quem tem de ser bacana. Ele fala com fãs, estranhos e jornalistas do mesmo jeito. Isso é raro, especialmente na música”, diz Brannigan ao site de VEJA.

O autor, é claro, pertence a dois desse grupos. É jornalista e é fã, o que torna a leitura agradável e menos fria para quem não é do meio. Em uma passagem, Brannigan relata a visita que fez à casa de Grohl durante a gravação do álbum Wasting Light, lançado no ano passado. O encontro aconteceu na garagem da casa do músico, no estado americano da Virginia. “Não pude ficar mais tempo, porque eles estavam no meio da gravação e eu poderia atrapalhar. Mas foi muito legal ver as fotos na parede dele, entrar lá e dar de cara com todos aqueles equipamentos de gravação. Muita gente duvida que ele fez o disco todo na garagem, mas é verdade”, conta o autor.

Relevância – Em tempos em que faltam estrelas do rock, Grohl é uma raridade. Embora o Foo Fighters tenha demorado para conquistar status entre os grandes, e ainda há quem duvide que possua, o mérito é todo do músico. Em diversas entrevistas, e conforme Brannigan relata em This is a Call, Grohl ficou transtornado após o suicídio de Cobain. O músico tirou alguns meses para se recuperar, mas, sem ver outra saída para esquecer a morte do amigo, alugou um estúdio de gravação e fez, ali, as músicas que viriam a compor o disco de estreia do Foo Fighters, lançado em 1995. Era o começo de um projeto-solo, que ganhou forma de banda ao longo do tempo.

Desde o começo do Foo Fighters, vários músicos entraram e saíram do grupo, até que ele finalmente ficou completo em 1999, com o baixista Nate Mendel, o baterista Taylor Hawkins e o guitarrista Chris Shiflett – há dois anos, o também guitarrista Pat Smear, que fazia turnê com o Nirvana, se juntou à banda, da qual já havia participado nos anos 1990. No documentário Back and Forth, lançado no ano passado, os músicos culpam o perfeccionismo de Grohl pelas mudanças, algo que Brannigan confirma. “Dave é muito meticuloso”, afirma.

Se o perfeccionismo e a dedicação de Grohl o ajudaram a construir sua fama e a do Foo Fighters, sua habilidade em se juntar a nomes poderosos contribuiu para que o músico fosse visto com seriedade. Uma delas, com o Queens of the Stone Age, banda liderada por Josh Homme, merece crédito especial. A parceria iniciada no começo dos anos 2000 deu fôlego a Grohl, que pensava em acabar a banda após Taylor Hawkins, baterista do Foo Fighters e seu amigo, ter uma overdose quase fatal de remédios, e ainda lhe rendeu um projeto paralelo prestigioso, o Them Crooked Vultures, no qual toca ao lado de Homme e do baixista John Paul Jones, ex-Led Zeppelin. Todos seus amigos do peito. Além de admiradores, é claro. São detalhes como esses que fazem de This Is a Call, a biografia, a confirmação de que Dave Grohl é mesmo “o cara mais legal” do rock.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments