Sam Shiraishi, no blog A vida como a vida quer

Imaginem uma biblioteca virtual e sem fins lucrativos, criada com o objetivo de preservar e difundir o patrimônio musical, democratizando o acesso a partituras digitalizadas e que funcione como uma importante ferramenta para músicos, estudantes e pesquisadores da área.
Aposto que você já pensou aí que este tipo de coisa legal só aparece no exterior, onde se valoriza a cultura e etc e tal, né?

Pois a notícia é daqui mesmo!

Trata-se do SESC Partituras, um site que promete apoiar os estudantes de música e pode ser o apoio para o começo de muitos estudantes. Os organizadores prometem diversidade de conteúdo ao serviço prestado, que traz um acervo com obras brasileiras contemporâneas e do período colonial, além de raras composições de artistas consagrados como, Francisco Mignone, Guerra-Peixe e Glauco Velásquez.

Programado para facilitar o acesso dos visitantes, o SESC Partituras utiliza um moderno sistema de buscas, que permite a visualização e impressão integral de inúmeras obras catalogadas, além de audição da maioria delas. As pesquisas podem ser realizadas de várias maneiras: título da obra, nome do autor, formação do grupo ou instrumentos.

O lançamento do Portal aconteceu no dia 14/04/2012 e contou com apresentações simultâneas de grupos de câmara, corais, solistas e orquestras regionais, em 23 estados. Os artistas emocionaram o público, interpretando obras que fazem parte do acervo do SESC Partituras.

No site, é possível encontrar obras de compositores brasileiros de várias gerações, muitas delas localizadas a partir da contribuição de compositores e de colecionadores, que disponibilizaram seus acervos pessoais visando à preservação definitiva das mesmas. Entre elas, estão raras composições de artistas consagrados como, Francisco Mignone, Guerra-Peixe e Glauco Velásquez; obras de relevância histórico-patrimonial como as do Padre José Mauricio Nunes Garcia (1767-1830); e músicas de compositores representativos de diversas regiões do país como Maurício de Oliveira (ES), Tó Teixeira (PA), Adelmo Arco Verde (PE), Fernando Cerqueira (BA) e João Rodrigues de Jesus (SE).

Além de preservar a história, o Portal SESC Partituras também compartilha o objetivo de produzir incentivo e visibilidade aos compositores contemporâneos. Desta forma, obras históricas e atuais, ganham o mesmo espaço. Destaques da música nacional e representantes deste novo cenário, artistas como Alexandre Schubert, José Orlando e Elieri Moura também tiveram suas composições incluídas no acervo. O site passa a ser um importante difusor da produção musical brasileira, funcionando como um ponto de encontro virtual, para os diversos segmentos ligados à cadeia produtiva da música.

Eu sei, um projeto de partituras brasileiro não é novidade (e a gente lembra de um site bem legal que saiu do ar por ordem do ECAD), mas este tem um diferencial que deve mantê-lo em funcionamento. As obras pertencem ao domínio público ou possuem licença para sua inclusão no catálogo, inclusive com autorização para impressão.

No entanto, para o caso de gravação fonográfica das obras, adaptação e outras formas de uso não previstas, é necessário realizar negociação direta com cada compositor ou representante legal da obra. Para garantir a preservação dos direitos autorais, o portal facilita o encontro entre os interessados, disponibilizando os contatos dos autores.

Como tudo começou…

Em 2007 o então Banco Digital SESC de Partituras possuía um programa de editoração de partituras e um acervo de obras digitalizadas se tornando importante subsídio para pesquisa e editoração de partituras para estudantes e músicos locais. Em 2010, iniciou-se o processo de reestruturação do projeto visando à ampliação de seu alcance por meio da criação de um portal que envolveu equipes de especialistas em editoração, catalogação, direitos autorais, ferramenta de busca na internet.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments