reading-child1

José Roberto Torero, no Observatório da Imprensa.

Jovial leitora, juvenil leitor, vamos supor que você queira comprar um livro para uma bela criança ou para um espinhento adolescente. Como você o escolheria? Talvez sua primeira ideia fosse dar uma olhada nos cadernos literários dos grandes jornais e revistas semanais para ver o que há de novo e interessante na área. Mas seria um trabalho inútil. A grande imprensa não fala de literatura infanto-juvenil.

Quereis provas? Dou-vos.

Na Folha de S.Paulo, a Ilustrada de sábado (dia em que o caderno traz mais textos sobre literatura) falava sobre nove livros. Todos adultos. A única menção a obras para crianças e jovens era a lista dos mais vendidos na categoria infanto-juvenil. E na Folhinha, onde às vezes há resenhas de livros, nesta semana não havia nada. O Estado de S.Paulo não foi muito diferente. Em seu caderno Sabático também falou sobre nove livros. Mas nenhum deles era direcionado para crianças ou jovens. O consolo é que o Estadinho veio com uma página sobre Monteiro Lobato. Porém, o motivo é uma efeméride, os 130 anos do nascimento do autor em 18 de abril. Quanto às revistas semanais, Veja, IstoÉ e Época não falaram sobre nenhum livro que não fosse para adultos. Nem unzinho. Pelo menos a IstoÉ, como a Folha, publicou uma lista dos mais vendidos na categoria.

O aparecimento destas listas em alguns órgãos mostra que a imprensa começa a perceber o valor comercial deste nicho. E não é à toa: 35% do mercado global de livros são dos infanto-juvenis. E, segundo dados da Câmara Brasileira do Livro, o número de exemplares de títulos infantis produzidos no país cresceu 87% entre 2005 e 2010, saltando de 14,2 milhões para 26,5 milhões.

O primeiro passo

Fábio Victor, repórter da Ilustrada dedicado principalmente à cobertura de livros e literatura, acredita em três razões para a ausência de críticas sobre obras para crianças e jovens:

“1) Cadernização: os jornais têm seções para crianças (Folhinha, Estadinho…) e para adolescentes (Folhateen, no caso da Folha), o que pode levar as editorias ‘adultas’ a se desobrigarem de lançamentos voltados para estas faixas etárias”;
“2) Pouco espaço: são centenas de lançamentos de livros adultos todo mês, dos quais dezenas são interessantes, e o espaço que temos para reportagens e resenhas não permite falar nem de um terço do que valeria a pena. Se fôssemos incluir nessa cobertura infanto-juvenis, o alcance seria ainda menor”;
“3) A falta de cobertura do segmento leva, consequentemente, à falta de expertise: entre os repórteres e resenhistas que costumam escrever para os cadernos culturais, há poucos familiarizados com o universo infanto-juvenil.”

Os três motivos são reais, mas Dolores Prades, coordenadora da área de literatura para crianças e jovens da revista eletrônica Emília, lembra que “jornais dos Estados Unidos, Espanha e Inglaterra reservam seções regulares para o segmento em seus cadernos literários. Algumas delas com destaques, análises e rankings importantes para os leitores e o mercado”.

E eu acrescentaria mais um motivo: preconceito. É que a literatura para os pequenos é considerada como algo menor. Sem trocadilho. O reduzido número de páginas, as ilustrações e a fantasia exuberante fazem com que muitos considerem a literatura infanto-juvenil como algo pouco sério. Porém, talvez nossa literatura infanto-juvenil seja, hoje, melhor que a adulta. Por exemplo, os escritores brasileiros jamais ganharam um Nobel de literatura, mas já venceram duas vezes (com Lygia Bojunga e Ana Maria Machado) o prêmio Hans Christian Andersen, considerado o Nobel da literatura infantil.

Enfim, mesmo que haja boas desculpas, o fato é que a imprensa brasileira não cumpre a função de fornecer pontos de vista, análises, críticas e referências a partir das quais possamos escolher livros para nossos filhos e formar uma massa crítica em relação a uma área da literatura que é o primeiro passo para a criação do leitor.

Sem essa cobertura jornalística, a literatura infanto-juvenil será sempre um gigante invisível.

***

[José Roberto Torero é formado em Letras e Jornalismo pela USP, publicou 24 livros, entre eles O Chalaça (Prêmio Jabuti e Livro do ano em 1995), Pequenos Amores (Prêmio Jabuti 2004) e, mais recentemente, O Evangelho de Barrabás; é colunista de futebol na Folha de S.Paulo desde 1998]

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments