O escritor paulistano Ferréz na rua da sua casa no bairro do Capão Redondo, na zona sul da cidade

O escritor paulistano Ferréz na rua da sua casa no bairro do Capão Redondo, na zona sul da cidade

Regiane Teixeira, na Folha de S. Paulo

No portão da casa de Ferréz, 36, estão grafitados o retrato de três escritores que o influenciaram: a mineira Carolina Maria de Jesus (1914-1977), o alemão Hermann Hesse (1877-1962) e o russo Máximo Górki (1868-1936).

Morador do Capão Redondo, zona sul, ele se inspira em seu redor para criar histórias. Pela primeira vez, porém, lançou um livro sem identificar o local da trama, “Deus foi Almoçar” (ed. Planeta, 240 págs., R$ 29,90), seu oitavo título. Neste mês, ainda lança o infantil “O Pote Mágico“.

Por que decidiu escrever um livro sem dizer onde a história se passa?
Quando ia fazer palestra, todo mundo me perguntava como era morar no Capão Redondo e eu não conseguia falar do livro. O assunto periferia é muito forte, mas eu também queria falar de literatura.

Já pensou em sair do Capão?
Não, gosto daqui. É onde o cara compra um quilo de carne, faz um churrasco na laje e todo mundo vai comer sem miséria. Tem uma coisa de união, de um bater na porta do outro e trocar ideia.

Qual manifestação cultural é mais forte na periferia?
A literatura é uma força. Tem muito livro lançado na quebrada. Quando comecei, era difícil. Agora, há outros escritores, como Marcos Teles e Cidinha da Silva.

A internet fez a periferia se unir?
Essa coisa de rede social é perigosa porque tem revolucionário só de Facebook. Mas é verdade que a internet facilitou o acesso. Alguém lá no Amazonas pode entrar no meu blog e ler o que escrevi. Antes eu fazia fanzine. Tirava xerox e mandava cópias pelos Correios.

O que é injusto em São Paulo?
É o cara com um carro gigante buzinando para o carroceiro sair da frente. É o cara perguntando quanto é o prato feito em vários botecos e só poder pagar por um de R$ 4. E aí você vê um restaurante cobrando R$ 200 num prato. São Paulo é como uma cidade cenográfica, se você encostar muito, as paredes caem.

Que palavra define a cidade?
“Monstro”. A cidade devora as pessoas, mói, mutila. É onde as pessoas veem que o sonho era ilusão. São Paulo é muito dura e desigual. Para eu chegar na cidade que as pessoas conhecem, tenho que andar uma hora e meia de ônibus. A gente tem a impressão de que mora no interior.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments