Publicado originalmente na Folha de S.Paulo

Deu no “New York Times”. E no “Guardian”, na “Economist”, no italiano “Corriere Della Sera”, no francês “Libération” e, na última quarta, até no “Dalmacia News”, diário de maior circulação dos Bálcãs: Paulo Coelho vilipendiou “Ulysses”.

A boutade do controverso autor brasileiro, o mais celebrado no exterior (140 milhões de livros em 160 países), alegando em entrevista à Folha no último dia 4, que o clássico de James Joyce é “só estilo” e que, se dissecado, “dá um tuíte”, comoveu leitores ao redor do mundo.

“É o maior insulto já sofrido por Joyce”, sentenciou Jennifer Schuessler, jornalista do “New York Times”, que admitiu nunca ter lido Coelho (“Assim ela me põe em pé de igualdade com o autor. Tomo como elogio”, diz o brasileiro).

Ao contrário de Jennifer, Stuart Kelly, crítico de literatura do “Guardian”, leu quatro livros do mago e mantém a réplica de pé: “Coelho tem direito à opinião dele e eu tenho à minha, de que a dele é tacanha, fácil e baseada em evidências questionáveis”.

Para Kelly, no “processo de ‘emburrecimento’ do mundo atualmente, vozes precisam se levantar em favor do oblíquo, do experimental e do complexo”, como é o catatau irlandês de mais de mil páginas que narra um dia na vida de Leopold Bloom.

A crítica a “Ulysses”, partindo de um autor de longo alcance, seria um desserviço à literatura, segundo ele.

Nas redes sociais, em que Paulo Coelho tem cerca de 15 milhões de seguidores, a questão tomou ares de disputa renhida.

De um lado, súbitos leitores de “Ulysses”. De outro, partidários de Coelho, segundo ele, “ofendidos nos últimos 25 anos por serem meus leitores”. De todos os cantos, insultos voando à toda.

Mas, se há algo a que “Ulysses” está habituado é a ataques. Isso ocorre desde o início de sua publicação em capítulos, a partir de 1918, na revista americana “The Little Review”. Ao falar de masturbação, Joyce foi acusado de obscenidade. O livro foi banido dos EUA e da Inglaterra.

Naquele país, só voltou a ser publicado em 1934, sob protestos de puristas. É de se perguntar: 90 anos depois, ainda é preciso quem o defenda? Para Stuart Kelly, sim.

“Livros como esse ajudam a compreender questões mais profundas da nossa existência, ao invés de oferecer paliativos e falsas soluções.”

E, afinal, “Ulysses” pode ser resumido em um tuíte? Na opinião de Idelber Avelar, professor de literatura da Universidade de Tulane (EUA), sim. “‘Hamlet’ e ‘Guerra e Paz’ também”, disse ele, provocando os joyceanos contra o autor de “O Alquimista”.

Para efeito de tira-teima, a Folha convidou sete autores –inclusive Coelho– para fazerem o que, há quem diga, é quase um crime: reduzir mais de mil páginas de narrativa “avant-garde” em, no máximo, 140 caracteres.

*

Cansado da patroa que #falamuito, um professor junta uma patota alucinante e apronta a maior confusão. Hoje. Ulysses. Depois do Fantástico.
@rbressane

marido perambula pela cidade, esposa fala sozinha
@felipevalerio

Aviso aos leitores de Paulo Coelho: não é a biografia de Ulysses Guimarães
@MarcelinoFreire

Dois bebuns tocam o puteiro 24h em Dublin. Então sobra pra Molly, a safada, viajar na maionese até o fim
@xicosa

O inferno dura um dia. Um dia que se repete. O mesmo dia errado. O paraíso dura um dia também. O mesmo dia certo. Ulisses é um dia indeciso
@carpinejar

Judeu caminha por Dublin e tenta se lembrar se puxou a descarga. Come fígado. Observa mulheres. Masturba-se. Sua esposa pensa na vida. Sim.
@xerxenesky

16/06: dia interminável, com as conversas de sempre. E de noite – #WTF! – tenho que escutar minha adúltera mulher falando sozinha.
@paulocoelho

imagem via Blog da Macondo

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments