Imagem Google

Publicada originalmente na Folha de S. Paulo

O escritor italiano Shlomo Venezia, sobrevivente do campo de concentração nazista Auschwitz-Birkenau, que comoveu com uma obra em que relatou sua dramática experiência com os “sonderkommando”, prisioneiros judeus encarregados das tarefas de extermínio, morreu em Roma aos 89 anos.

Venezia, de origem sefardita, nasceu em Salônica (Grécia), mas com nacionalidade italiana vivia há anos em Roma.

A notícia de sua morte foi comunicada hoje pelo prefeito da capital italiana, Gianni Alemanno, que destacou que a perda de Shlomo Venezia deixa um “grande esvaziou e uma grande dor”.

Alemanno lembrou como Venezia foi um dos 70 sobreviventes dos “sonderkommando”, os comandos especiais formados por prisioneiros judeus que encarregados de iniciar a maquina de extermínio nazista.

“Uma experiência muito forte, destrutiva para um ser humano”, acrescentou o prefeito de Roma.

Shlomo Venezia deixou testemunho escrito de sua terrível vivência no livro, publicado em 2007, “Sonderkommando Auschwitz” (“Sonderkommando – No inferno das câmaras de gás, no Brasil”).

Em 11 de abril de 1944, quando tinha 21 anos, Venezia chegou ao campo de Birkenau, com sua mãe e sua irmã, de quem nunca mais teve notícias.

Foi obrigado a fazer parte dos “sonderkommando”, que, como ele mesmo relatou, se encarregavam de acompanhar aos prisioneiros que chegavam desde os trens até as câmaras de gás, os ajudavam a se despir e a entrar nessas salas e, após morrer, cortavam seus cabelos e tiravam seus dentes de ouro, os levando em seguida aos fornos crematórios.

Antes da libertação de Auschwitz por parte do exército russo, Venezia conseguiu escapar e chegar até Mauthausen e de lá viajou para Itália, onde passou 47 anos em silêncio, sem falar de sua experiência.

Até que em 1992, encorajado por sua mulher, começou a relatar os horrores de Auschwitz, sobretudo para que os jovens pudessem saber o que foi o Holocausto.

Após romper seu silêncio, Shlomo Venezia participou de uma iniciativa do prefeito anterior de Roma, Walter Veltroni, para que os jovens romanos pudessem conhecer o que ocorreu em Auschwitz. Por isso, retornou ao lugar onde viveu tantos horrores umas 54 vezes para acompanhar os estudantes.

Alemanno afirmou hoje que se dedicará a acelerar a construção de um Museu dedicado ao Holocausto na capital italiana para continuar “a obra de educação e de transmissão da memória que Shlomo Venezia realizou”.

dica do Emmanoel Jetro

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments