Adriana Farias, na Folha de S.Paulo

Os pais de um aluno do colégio São Miguel Arcanjo, na Vila Zelina, zona leste de São Paulo, fizeram boletim de ocorrência contra um professor de educação física após ele “simular”um golpe de judô do tipo “rasteira” no filho de nove anos e num amigo da mesma idade. O caso ocorreu no dia 3 de outubro.

O pai de uma das crianças, o empresário Vladimir Assis, 45, protocolou queixa contra a escola como “agressão contra menor” na D.E.R. Centro Sul (Diretoria de Ensino) e registrou boletim de ocorrência por “maus-tratos” na 56º DP (Vila Alpina). Foi requisitado um exame de corpo de delito do tipo “ad cautela” para apurar se houve lesão na criança. Ambos os registros foram feitos no último dia 5. Os pais do outro menino não quiseram se pronunciar.

Por volta das 17h45 da quarta-feira, as crianças estavam na quadra de esportes do colégio brincando de “lutinha” com outros alunos quando o filho do empresário derrubou sem querer um colega, também de nove anos, que machucou o cotovelo.

Ao ver a situação, o professor Thiago Lopes Gandolfi, 30, chamou a atenção dos alunos e colocou-os sentados de castigo. Em seguida, Gandolfi, que fez judô durante dez anos, pediu para que o filho de Assis e seu colega levantassem e aí deu a “rasteira” nas crianças. “Eu disse [aos meninos]: ‘essa brincadeira machuca, se vocês querem fazer uma aula de judô eu vou mostrar um golpe para vocês. Aí eu mostrei o golpe para eles”, disse o professor que trabalha há quase oito anos no colégio. “Segurei ele nas costas, passei o pé por baixo e ele [filho do empresário] caiu sentado no chão”. A intenção da brincadeira não foi de agredi-lo nem de humilhá-lo”, explicou.

A didática do professor foi contestada pelos pais do menino. Durante conversa de Assis com o filho, ele contou que Gandolfi colocou o “braço em seu peito e deu uma rasteira derrubando o menino no chão” e o professor teria dito “é bom derrubar os outros?”.

De acordo com Assis, a criança mudou de atitude e não quer mais frequentar as aulas de futebol. “Meu filho ficou envergonhado e disse que machucou. Ele estava sendo reprimido, coagido e mudou rapidamente de comportamento”, informou o pai. “Hoje ele [professor] deu uma rasteira e amanhã? E o trauma que fica?”, disse a mãe Priscila Assis, 34.

Professores diretos do aluno negam que ele esteja se comportando diferente nas aulas e afirmam que o menino teria confessado que a brincadeira não doeu. A criança continua frequentando a escola, mas não participará das aulas de futebol, segundo os pais.

OUTRO LADO

A diretora-adjunta da instituição Irene Anfimovas, 57, afirma que ela e a coordenadora do departamento de esportes Rosana Lopes de Souza Lune, 52, prestaram atendimento imediato ao pai da criança, mas que o comportamento dele atrapalhou a resolução do caso. “Ele estava extremamente agressivo […] eu disse: ‘a gente tem que ser justo com todos. Fique certo de que isso será conduzido, mas ele não aceitou e queria o professor presente para bater nele ou que eu o demitisse”, disse Anfimovas. O pai nega a versão.

A diretora-geral da instituição irmã Selma Maria dos Santos, 42, disse que há dois anos já teve problemas anteriores com outro filho de Assis, mas que na época a própria criança desmentiu o incidente. O pai confirma que houve atrito, mas não quis fazer nenhum comentário sobre os outros filhos. O empresário tem ainda uma menina de quatro anos matriculada na escola.

A irmã aplicou uma advertência oral e por escrito ao professor, mas afirmou que a escola confia no profissional e que ele se dá bem com todos os alunos e nenhuma outra medida será tomada antecipadamente. “Eu não vou ser injusta até os fatos serem apurados […] tudo que faz tem que provar”, pontuou a diretora.

Inaugurado em 1952 por cinco freiras, o Colégio Franciscano São Miguel Arcanjo completou 60 anos de existência com 1.180 alunos estudando do nível infantil ao ensino médio. Em comemoração, um livro azul escrito à mão por centenas de pais de alunos traz recados de agradecimento pelo colégio ser referência de educação na zona leste de São Paulo. Em uma das páginas do exemplar lê-se a frase: “É com a educação que a gente vai mudar o mundo”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments