Laura Mattos, na Folha de S.Paulo

Ele nunca leu um “livro grande” e não entende de política. É do PSD, o partido de Kassab, mas o que importa mesmo são outras três letras. “Sigla para mim é só KLB.”

Em 1º de fevereiro assume, ou melhor, estreia na Assembleia Legislativa de São Paulo o deputado estadual Leandro do KLB, 30 anos.

Na eleição de 2010, Leandro Finato Scornavacca recebeu pouco mais de 62 mil votos. Ele chega ao cargo depois que o titular, Ary Fossen (PSDB), morreu e outros três suplentes renunciaram para assumir prefeituras do Estado.

Tomou posse no último dia 3 e foi clicado pela imprensa com um estranho visual: terno e gravata. “Vou ter que usar só no plenário. Fora, pode roupa normal”, conta.

Marlene Bergamo/Folhapress
O cantor e agora deputado Leandro, do KLB, durante entrevista à *Folha* na Assembleia paulista
O cantor e agora deputado Leandro, do KLB, durante entrevista à Folha na Assembleia paulista

Com 12 anos de carreira artística e cerca de 5 milhões de CDs vendidos, Leandro está aprendendo a circular pelos corredores da Assembleia. Não se perde mais no caminho do seu novo gabinete, o 1.020, que está sendo decorado pela mãe.

Ele não conhece os detalhes da decoração, mas sabe que terá uma imagem de São Miguel Arcanjo, de quem é devoto. O santo, aliás, será tatuado no bíceps direito do deputado. No tríceps está o logotipo do KLB. Já no braço esquerdo, tem Jesus no tríceps e “The Twilight Zone”, uma série de TV, no bíceps.

Leandro é boxeador profissional, treinado pelo conceituado Miguel de Oliveira, ex-Maguila. Apesar de não participar de campeonatos, faz sparring, ou seja, ajuda no treinamento de pugilistas famosos.

Seu nariz todo mole, com a cartilagem quebrada em diversos pedaços, já passou por Popó, Vitor Belfort e outros.

Desde criança, Leandro gosta de esportes. Já os estudos não são o seu forte. Repetiu as 2ª e 5ª séries (hoje 3º e 6º ano do fundamental) e foi expulso de escolas “várias vezes”. “Era bagunceiro, não estudava muito, explodi os banheiros da escola.”

Nesse tempo de colégio, leu os livros obrigatórios, “aqueles pequenininhos”. “Mas não considero como livros, eram finos, não se aprofundavam tanto no tema. Livro grande mesmo nunca li.”

Ele tem três na prateleira que já começou a folhear, mas não consegue terminar: o best-seller “A Cabana”, de William P. Young, “O Príncipe”, de Maquiavel, e um “de mistério, assassinatos”, de que não se lembra o nome.

Não acredita que o fato de não ler e de não ter feito faculdade atrapalhe o seu trabalho como deputado. “Não faz a menor diferença. Embora a leitura seja importante, a gente tem a oportunidade de viajar o Brasil inteiro, de conhecer as pessoas, os lugares e suas dificuldades.”

Ele e seu irmão Kiko (o K do KLB) entraram na política a convite de Kassab. Em 2011, para deixar o DEM e fundar o PSD, o ex-prefeito de São Paulo usou a estratégia de convidar famosos.

Após uma campanha contra a pedofilia, Leandro diz que irá “defender a família e as crianças”. Para isso, quer “chamar as pessoas certas e elaborar um projeto”.

E não se importa com a indefinição do partido, ora de braços dados com o PT, ora com o PSDB. “Nem sabia disso. Para mim, não muda muito o lado, não tenho esquerda ou direita. Sou como um cidadão qualquer aí fora e só quero dar o melhor de mim.”

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments