Publicado por Livros e Afins

Um gentil cavalheiro como aquele – diziam – não necessita de livros. Que deixasse os livros – diziam – para paralíticos e moribundos. Mas o pior estava por chegar. Porque a doença de ler, uma vez tomando conta do organismo, enfraquece-o a ponto de torná-lo fácil presa desse outro flagelo que habita no tinteiro e supura na pena. O desgraçado dedica-se a escrever. Orlando, Virginia Woolf

Ao mesmo tempo que a leitura desperta o desejo de escrever é ela também que nos inibe. Porque lemos os grandes mestres, seus personagens incríveis, histórias mirabolantes ou narrativas sedutoras, e temos a impressão – mais do que impressão, a certeza – de que nunca chegaremos aos seus pés. Eu, particularmente, tenho dificuldade em escrever muito. Então, olho para livros de 400 páginas, 500 páginas, trilogias (!) e aquilo me parece impossível. Nem se eu começasse a escrever assim que acordo e parasse só de noite, conseguiria escrever coisas tão grandes. Vejam que só citei o fato de serem grandes, mais difícil ainda se pensarmos em qualidade.

1

E se apelarmos para os contos? Os contos contam com menor número de páginas, é verdade, mas têm um timing muito preciso. Nele o autor tem que saber exatamente aonde chegar e que efeito causar; deve informar pouco pra não se tornar cansativo, mas também não pode economizar a ponto de revelar antecipadamente o que está por vir. Pensa em algo menor ainda? Os textos de blogs e jornalísticos costumam ser menores, mas que concorrência! Tanta gente boa por aí, esbanjando cultura e estilo em qualquer assunto, dos mais banais à política internacional. Sem falar das fotos, dos vídeos e das muitas maneiras que a internet proporciona de tornar uma informação ainda mais rica.

Diante de tudo isso, escrever pode se tornar apavorante logo no primeiro parágrafo, especialmente para quem tem autocrítica demais. Então é preciso colocar a cabeça no lugar e lembrar daquela verdade: uma grande caminhada começa com um pequeno passo. Sem se colocar à prova, o aspirante a escritor nunca saberá do que é capaz. Se produzirá uma obra prima ou apenas mais um texto, quem pode dizer é o tempo, os leitores, o futuro. O que é certo é que pra isso é preciso se propor e terminar. Posso dizer que o melhor livro de Shakespeare é uma tragédia incrível que ele nunca colocou no papel? Não posso. Idéias e vontade de nada valem se não são concretizadas.

Então, escreva. Escreva apesar do medo, apesar de já terem escrito sobre o assunto, apesar das limitações. Mesmo o mundo inteiro dizendo que não, escreva. Escreva simplesmente porque a necessidade existe dentro de você.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments