Três estudantes de São Carlos, SP, responderão pelo crime de ato obsceno.
Eles hostilizaram feministas durante protesto contra um desfile em fevereiro.

Publicado por G1

Alunos que ficaram pelados ainda não foram identificados (Foto: Divulgação/Frente Feminista)

Alunos que ficaram pelados ainda não foram
identificados (Foto: Divulgação/Frente Feminista)

Os universitários da USP de São Carlos (SP) que ficaram pelados e hostilizaram cerca de 40 integrantes de um grupo feminista que protestava contra a realização de um desfile de calouras, conhecido como “Miss Bixete”, em uma festa dentro do campus, no mês passado, se apresentaram espontaneamente à Polícia Civil e responderão pelo crime de ato obsceno. A informação foi confirmada nesta terça-feira (12) pelo delegado responsável pela investigação, Aldo Donisete Del Santo, do 3º Distrito Policial. Universidade tem até 60 dias para concluir processo administrativo que pode resultar até na expulsão dos envolvidos.

Dois estudantes ficaram pelados e outro simulou sexo com uma boneca inflável. “Eles se apresentaram espontaneamente. Foram ouvidos, tentaram amenizar a situação, mas foi elaborado um termo circunstanciado. Agora o caso chega à fase judicial e a primeira audiência já está marcada”, disse o delegado.

A Polícia Civil entrou no caso após pedido do Ministério Público Estadual de São Carlos. O promotor criminal Marcelo Mizuno anexou à requisição fotos dos estudantes pelados e simulando sexo. A pena para o crime de ato obsceno varia de três meses a um ano de prisão, mas a pena revertida em entrega de cesta básica e prestação de serviço ao público.

Em nota, a USP informou que um processo administrativo está em curso para acompanhar o caso dos alunos envolvidos. O prazo para a conclusão dos trabalhos é de 60 dias. Ainda segundo a universidade, paralelamente o Conselho Gestor do Campus (órgão deliberativo local de instância máxima) tratará do fato em sua próxima reunião para análise e deliberações.

Feminista protesta contra o 'Miss Bixete' na USP de São Carlos (Foto: Divulgação/Frente Feminista)

Feminista protesta contra o ‘Miss Bixete’ na USP
de São Carlos (Foto: Divulgação/Frente Feminista)

Entenda o caso

Cerca de 40 integrantes da Frente Feminista de São Carlos, que protestava contra a realização de um desfile de calouras, conhecido como “Miss Bixete”, dentro do campus da USP de São Carlos, foram hostilizadas por vários veteranos.

Segundo as feministas, o concurso de beleza realizado no dia 26 de fevereiro é machista, submete as estudantes a constrangimentos e muitas são pressionadas pelos veteranos para participar.
Irritados com a manifestação contra o evento, veteranos decidiram ofender os participantes, sendo que dois ficaram pelados e um simulou sexo com uma boneca inflável. “Tiraram sarro, xingaram, ficaram cantando as meninas que estavam no protesto, tentavam passar a mão e até jogaram bombinhas e cerveja na gente”, afirmou uma feminista em entrevista ao G1 no dia 1º de maio.

O universitário Rafael Campanari, um dos organizadores do ‘Miss Bixete’ condenou a atitude dos estudantes que ficaram pelados, mas defendeu o evento. “Ninguém é forçada a participar, as garotas que sobem no palco e desfilam estão lá porque querem, gostam de ouvir assovios e ser aplaudidas”, disse em entrevista no dia 2 de maio.

Disque-trote

Os calouros das universidades da região de São Carlos (SP) podem denunciar casos de abuso durante trotes universitários. O telefone da USP para relatar qualquer irregularidade é telefone é (16) 3373-9100. O número para denunciar trotes na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) é (16) 3306 6571.

1Estudante simulou sexo com boneca inflável para ofender integrantes (Foto: Divulgação/Frente Feminista)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments