Instituto-Ayrton-Senna-Doação-50 anos

Sabine Righetti, na Folha de S.Paulo

O sucesso de uma pessoa é, em parte, determinado por características individuais como autoestima e persistência, que podem ser trabalhadas desde a infância. O desafio é saber como desenvolver essas habilidades na escola.

Um grupo do IAS (Instituto Ayrton Senna), ONG que trabalha com 2 milhões de alunos em 1.300 municípios do Brasil, está mapeando características de personalidade em crianças do país para ajudar a desenvolvê-las.

A ideia é que o trabalho ajude a formulação de políticas públicas para o desenvolvimento das chamadas habilidades “não cognitivas” na rede pública.

Em outras palavras, o ensino da tabuada e da gramática –habilidades cognitivas– andaria de mãos dadas com atividades que promovam o trabalho em grupo, a concentração e a resiliência.

“Isso é importante na escola pública para diminuir a desigualdade social”, explica a coordenadora de avaliação e desenvolvimento do IAS, Tatiana Filgueiras.

Ao todo, 55 mil estudantes de escolas públicas do Rio de Janeiro serão avaliados. A identificação é feita por meio de questionários com perguntas simples. Por exemplo, como a criança reage a um obstáculo ou de que forma lida com frustrações.

A fase final da pesquisa deve acontecer em agosto. Os resultados estão previstos para o final deste ano.

FAZENDO AS CONTAS

O desenvolvimento da inteligência emocional é também fundamental para que o aluno desenvolva as atividades cognitivas, como a própria matemática.

“A criança é constituída de muitas habilidades que estão interconectadas com a esfera afetiva, comportamental e relacional”, diz o psicólogo Fábio Villela, do Departamento de Educação da Unesp de Presidente Prudente.

Um problema em matemática, por exemplo, pode estar mais ligado a questões como ansiedade ou instabilidade emocional do que ao ensino dos números em si.

Entender essa relação e saber como melhorar é especialmente importante no cenário brasileiro.

O país está em 56º lugar em desempenho de matemática em uma lista de 65 países avaliados no Pisa (Programa de Avaliação Internacional dos Estudantes da OCDE).

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments