O novo romance de Neil Gaiman, O oceano no fim do caminho, transita entre o público adulto e infantil com maestria

Nina Finco e Luís Antõnio Giron, na Época

1As forças sobrenaturais liberadas pelo suicídio de um inquilino no carro da família de um garotinho de 7 anos atrai um espírito predador de seres humanos. O menino precisa da ajuda das mulheres da família Hempstock, que moram no final da rua, para se livrar da confusão. A mais velha delas diz ser mais antiga que o próprio Big Bang. Tais eventos acontecidos na década de 1970 são relembrados pelo garoto já quando adulto, em uma visita nostálgica ao condado de Sussex, na Inglaterra, onde viveu quando era criança.

Eis aí um bom tema para um livro de aventuras infantil. Mas O oceano no fim do caminho (editora Instrínseca, 208 páginas, R$ 24,90, tradução de Renata Pettengill), o novo romance do escritor britânico Neil Gaiman, está longe de ser uma história para crianças. É a um só tempo delicado e triste. O oceano conta com uma narrativa simples: mostra como as crianças não conseguem fugir de tudo, justamente porque são crianças. Os acontecimentos da trama captam o momento da perda da inocência e da esperança e como se pode esquecer de tudo depois. Trata-se de uma história que dialoga com a criança interior do leitor adulto.

A capacidade de unir o infantil ao adulto surgiu cedo na carreira de Neil Gaiman. No final da década de 1980, ele revolucionou o mercado das histórias em quadrinhos ao criar a série Sandman. A trama acompanha o personagem Sonho, governador do Sonhar, que interage com o universo e o mundo dos homens. Naquele tempo, nos Estados Unidos, as HQs costumavam falar sobre super-heróis e não atingiam o público adulto. Mas a onda de graphic novels britânicas trouxe ao mercado uma escola narrativa com pretensões poéticas. A novidade atraiu leitores de fora da base tradicional de fãs de quadrinhos. Logo no começo de sua carreira, Gaiman já se destacava por misturar os públicos.

Segundo o escritor Eduardo Spohr, autor dos livros de fantasia Batalha do apocalipse e Filhos do Éden (ambos publicados pela editora Record), o público adulto sente-se atraído pelas questões filosóficas apresentadas por Gaiman autor. “Ao colocar um conteúdo mais profundo na narrativa, que vai além da história em si, Gaiman torna sua obra mais fácil de ser apreciada pelos mais velhos”, afirma. Tal mistura ajudou-a superar as barreiras da fama infantilizada dos quadrinhos.

Em 2011, Grant Morrison, roteirista de quadrinhos britânico e autor de histórias premiadas como Os Invisíveis e Asilo Arkham (D.C. Comics), uma das graphic novels mais vendidas de todos os tempos, lançou Supergods. O livro une a crítica artística sobre quadrinhos de super-heróis e a história do gênero. Nele, Morrison descreve a obra de Gaiman: “A história de Sandman se expandiu tão além de suas raízes em quadrinhos de super-heróis que a obra basicamente inventou um novo gênero, na interseção de fantasia, ficção, terror e literatura.”

É na mistura de fantasia e terror que Gaiman ganha também espaço entre os mais jovens. Para o professor de produção editorial da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mário Feijó, as primeiras histórias para crianças eram de terror. “Os contos folclóricos antigos eram apavorantes e eram utilizados para ajudar as crianças a aprender a domar seus próprios medos”, afirma. Feijó afirma que Gaiman faz a mesma coisa ao usar os medos básicos do ser humano, como a morte, o abandono e a traição – todos ligados à família – como parte de suas obras. “Eles nos perseguem durante toda a vida, passando da infância à velhice. Por isso Gaiman segue ser popular, independentemente da idade dos leitores.”
O exemplo de maior sucesso entre o público infantil de Gaiman foi a publicação de Coraline (editora Rocco) em 2002. A história de uma menina que encontra uma realidade alternativa (e assustadora) na qual as pessoas possuem botões no lugar dos olhos, rendeu-lhe os prêmios de ficção científica e fantasia Hugo Award e Nebula Award por melhor romance em 2003.

1De acordo com o estudioso de literatura fantástica Fabio Fernandes, usar a fantasia de diversas formas é o trunfo maior de Gaiman. “Ele habita várias esferas do fantástico. Se Sandman é um quadrinho mais voltado para o público adulto, o Livro do Cemitério (editora Rocco), que é infanto-juvenil, é uma história ao mesmo tempo de fantasmas e uma homenagem e referência direta ao Livro da selva, de Rudyard Kipling (1865-1936). Assim como Deuses Americanos e sua continuação, Os Filhos de Anansi (ambos editora. Conrad) é um estudo de uma mitologia paralela dos deuses do Velho Mundo nos Estados Unidos”, diz Fernandes. Portanto, não é possível classificar a literatura de Gaiman faz, exceto que ele escreve no território do fantástico. “E o fantástico tem muitas faces.”

Outra característica marcante da obra de Gaiman é a linguagem simples de sua narrativa. Tanto nos livros adultos como nos infanto-juvenis, ele se expressa de forma espontânea, aproximando as histórias do leitor. “Escrever fácil é muito difícil”, diz o escritor e crítico Felipe Pena, autor de Fábrica de diplomas (editora. Record). “Para traduzir a complexidade de suas histórias de forma simples, sem ser superficial, é preciso muito talento. E isso o Gaiman tem de sobra,” Quanto ao tema recorrente do temor, Pena diz que é uma questão neurológica. “O ser humano gosta de sentir medo. Ficar assustado com a ficção faz com que a gente sinta-se protegido do medo da realidade”, diz. “E é bem melhor sentir medo nos livros do que na vida real.”

Em toda sua obra, que não está presente apenas no mundo da literatura (ele já escreveu episódios para a série britânica Dr. Who e foi responsável pelo roteiro do filme A Lenda de Beowulf (Warner Bros.) de 2007), Neil Gaiman encontrou o elo entre a criança e o adulto. Ao escrever para os mais velhos, ele não se esquece dos medos infantis. Ao falar com os mais novos, ele os fascina com o terror tão conhecido por eles mesmos. O medo nunca está longe do homem. Quando adultas, as pessoas apenas se esquecem dele. Na epigrafe de O oceano no fim do caminho uma frase do ilustrador de literatura americano Maurice Sendak (1928-2012) resume a ligação entre os temores infantis e adultos: “Eu me lembro perfeitamente da minha infância… Eu sabia de coisas terríveis. Mas tinha consciência de que não deveria deixar que os adultos descobrissem que eu sabia. Eles ficariam horrorizados.”

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments