Livros estão sendo colocados em áreas de destaque, como lobbies e bares, para deixar o ambiente mais confortável para seus clientes, principalmente os mais jovens

Publicado no iG

Em muitos quartos de hotel materiais para leitura se tornaram extremamente raros – abra a gaveta da escrivaninha e talvez encontre uma bíblia, ou uma edição das Páginas Amarelas. Porém, alguns hotéis estão começando a ver os humildes livros sob um novo ponto de vista, à medida que buscam novas formas de convencer os hóspedes, especialmente os mais novos, a passar mais tempo nos lobbies e bares.

Cada vez mais, os hotéis guardam livros em áreas de destaque, realizando encontros e leituras com a presença dos autores. Embora a tendência tenha surgido em hotéis-butique, hotéis como o Library Hotel, em Nova York; o Heathman Hotel, em Portland, Oregon; e o Study at Yale, em New Haven, Connecticut estão espalhando a ideia pelas redes.

Daniel Rosenbaum/The New York Times
Hóspedes em um espaço reservado para leitura com livros sobre presidentes e esportes no hotel Renaissance, em Washington

Para essas redes, uma biblioteca – ou, ao menos, a impressão de uma – permite que o lobby passe de um lugar formal para uma atmosfera mais caseira, algo que clientes mais jovens sempre procuram. Adam Weissenberg, vice-presidente dos grupos de viagem, hospitalidade e lazer da Deloitte, afirma: “Minha impressão é a de que isso está relacionado a uma mudança no público”. E acrescenta que “viajantes mais jovens querem fazer parte da comunidade”.

Assim como qualquer outra mudança em um hotel, sempre existe a questão financeira. A receita com os quartos subiu 6,3% em 2012, comparada com o ano anterior, mas o faturamento com comida e bebida subiu apenas 2,3%, de acordo com a PKF Hospitality Research Trends.

Para os hotéis, o desafio é convencer os hóspedes a gastar mais tempo – e dinheiro – nos restaurantes e bares, ao invés de se aventurarem do lado de fora. O hotel Indigo Atlanta-Midtown, por exemplo, tem um espaço separado no lobby chamado de Biblioteca, com livros, jornais e café. O Indigo Nashville Hotel também possui uma área similar a uma biblioteca.

A Country Inns and Suites, que conta com 447 hotéis na rede, fechou um acordo exclusivo com a Penguin Random, conhecido como “Read It and Return Lending Library” (Biblioteca ‘Leia e Devolva’, em tradução livre), que permite que os hóspedes emprestem um livro em um endereço e devolvam em outro, quando voltarem a se hospedar na rede. Scott Meyer, vice-presidente sênior do Country Inns, explica que o objetivo é dar aos hóspedes – 40% dos quais estão viajando a negócios – “algo que eles não esperam”.

Desde o início de julho (uma versão desse programa havia estreado em 2001), o hotel oferece romances de Dean Koontz, Steve Berry e outros autores da Random House, além de livros infantis. Um blog corporativo mostrava um trecho do último de Koontz, “Deeply Odd”, publicado em março. Os livros de ambos os autores à disposição na rede fazem parte dos títulos mais antigos do catálogo. Berry ficou entusiasmado com a nova divulgação de seu trabalho. Ele se referiu ao método como “a forma mais simples, eficiente e despojada de colocar livros nas mãos dos leitores”.

Daniel Rosenbaum/The New York Times
Redes de hotéis estão apostando em espaços para leitura para atrair hóspedes jovens aos ambientes comuns

Em junho, o Hyatt Magnificent Mile, em Chicago, terminou uma reforma completa que inclui um bar cheio de livros e revistas, além de alguns computadores. Marc Hoffman, COO da Sunstone Hotel Investors, proprietária do hotel, conta que também levou o conceito da biblioteca para outros hotéis da rede, incluindo o Renaissance Washington, D.C., Downtown Hotel, que tem livros sobre presidentes e esportes; para o Newport Regency Beach Hyatt, na Califórnia; e o Boston Marriott Long Wharf, onde afirmou que livros sobre os Boston Celtics, sobre pesca e baseball são os mais populares. “Estamos criando espaços onde as pessoas possam relaxar”, diz.

Livrarias e sites que vendem livros para hotéis relatam um crescimento nos negócios. A livraria Strand, em Nova York, por exemplo, vende livros para o Library Hotel e o Study at Yale, bem como para hotéis em Dallas, Houston, Nova Orleans, e Filadélfia, entre outros. Jenny McKibben, chefe das contas corporativas da loja, estima que 60% das vendas para clientes corporativos são feitas para hotéis e empresas de design que trabalham para hotéis.

Segundo Jenny, antes da recessão, entre 15 e 20 hotéis ligavam todos os anos para encomendarem livros. Agora, com os hóspedes mais interessados e novas tecnologias que permitem que os hotéis confiram fotos e listas de títulos, o número de hotéis que fazem encomendas subiu para 40 ao ano. “Esse é o novo item de luxo”, afirma a respeito dos livros.

Enquanto isso, hotéis-butique tornam a experiência nas bibliotecas ainda mais personalizada. No Library Hotel, em Nova York, onde cada andar tem um número designado de acordo com o sistema decimal de Dewey e os quartos têm livros que acompanham essa classificação, foi realizado um concurso de haicais em abril para celebrar o Mês Nacional da Poesia.

Steven Perles, advogado internacional que trabalha em Washington e figurinha carimbada no hotel, não participou do concurso, mas durante uma temporada recente, refletiu sobre a escolha de local. “Os livros são parte importante do que chama a atenção”, diz, embora tenha ficado no quarto designado para as línguas eslavas e não entendeu nada do que os livros diziam. Ainda assim, ele dá uma nota alta ao hotel pelos serviços prestados

A Powell’s Books, em Portland, Oregon, fornece livros para o Heathman Hotel, que fica na cidade. Os autores que se apresentam na biblioteca ou no Arlene Schnitzer Concert Hall, e que ficam no hotel, sempre passam pelo ritual de assinar a obra mais recente e acrescentá-la à coleção do hotel. O hotel tem quase 2.100 obras assinadas pelos autores, incluindo Saul Bellow, Stephen King e Greg Mortenson. Os hóspedes podem entrar na biblioteca todas as noites.

Alguns hotéis passaram a realizar leituras com os autores. Pouco antes da segunda posse do presidente Obama, Lewis Lapham, editor da Lapham Quarterly e ex-editor da Harper’s Magazine, leu trechos do livro “A Presidential Miscellany”, de sua autoria, no Saint Regis Hotel, em Washington.

O Algonquin Hotel, em New York, deseja tirar proveito de sua rica história literária, enchendo uma das suítes com livros da editora Simon & Schuster. Em uma noite recentemente, mais de 125 pessoas se reuniram no lobby principal do hotel para ouvir Chuck Klosterman, jornalista, ensaísta e colunista de ética do “The New York Times”, para a leitura do livro ” I Wear the Black Hat “, publicado pela Simon & Schuster.

Hoffman conta que os livros do hotel poderiam se tornar souvenires. Ele explica que todos os livros tinham o nome do hotel e admitiu que alguns dos hóspedes os levavam para casa. “Desejamos que eles se lembrem da viagem, de como se divertiram, e que voltem para cá”, diz.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments