Livro mostra fantástica coleção de animais empalhados em cenas do cotidiano de Walter Potter, que faziam sucesso na Inglaterra vitoriana.

Publicado no G1

Um novo livro do historiador Pat Morris e da artista Joanna Ebenstein celebra a obra, a técnica e a arte de Walter Potter, um conhecido mestre da taxidermia dos tempos da Inglaterra vitoriana — ele viveu do século 19 a início do 20 (Foto: Pat Morris/Joanna Ebenstein)

Um novo livro do historiador Pat Morris e da artista Joanna Ebenstein celebra a obra, a técnica e a arte de Walter Potter, um conhecido mestre da taxidermia dos tempos da Inglaterra vitoriana — ele viveu do século 19 a início do 20 (Foto: Pat Morris/Joanna Ebenstein)

Potter, que morreu em 1918, começou a aprender a taxidermia ainda garoto, aprendendo a preservar corpos de pássaros e animais. Logo após deixar a escola, de início à sua coleção particular (Foto: Pat Morris/Joanna Ebbenstein )

Potter, que morreu em 1918, começou a aprender a
taxidermia ainda garoto, aprendendo a preservar
corpos de pássaros e animais. Logo após deixar a
escola, de início à sua coleção particular
(Foto: Pat Morris/Joanna Ebbenstein )

As cenas de animais empalhados protagonizando uma cena cotidiana do século 19 tornaram-se ícones da Inglaterra vitoriana. Walter Popper tinha fascínio pela taxidermia e começou a aprender a arte de empalhar animais ainda garoto.

VEJA A GALERIA COMPLETA

Um novo livro do historiador Pat Morris e da artista Joanna Ebenstein celebra a obra, a técnica e a arte de Potter, que, em vida, fundou e manteve o Museu de Curiosidades do Sr. Potter, perto de Brighton, na costa sul da Inglaterra.

Com sua morte em 1918, a coleção teve vários destinos e acabou desmembrada em um leilão no ano de 2003.

O artista britânico Damien Hirst tentou comprar tudo por mais de R$ 3,5 milhões, mas já era tarde demais para o lance.

O livro “Walter Potter’s Curious World of Taxidermy”, assinado por Pat Morris e Joanna Ebenstein, foi publicado pela editora Constable, de Londres.

Esperava-se que a coleção fosse vendida inteira, mas não houve nenhuma oferta pelo acervo completo, que acabou desmembrado. O artista britânico Damien Hirst tentou comprar tudo por mais de R$ 3,5 milhões, mas já era tarde demais para o lance (Foto: Pat Morris/Joanna Ebenstein)Esperava-se que a coleção fosse vendida inteira, mas não houve nenhuma oferta pelo acervo completo, que acabou desmembrado. O artista britânico Damien Hirst tentou comprar tudo por mais de R$ 3,5 milhões, mas já era tarde demais para o lance (Foto: Pat Morris/Joanna Ebenstein)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments