Lutero de Paiva diz querer extinguir os ‘vícios de linguagem’ na cidade.
Dicas são exibidas em semáforos, pontos turísticos e em canteiros de obra.

Palavras usadas de forma errada constantemente são corrigidas nas faixas espalhas pela cidade (Foto: Sinal do Saber/Divulgação)

Palavras usadas de forma errada constantemente são corrigidas nas faixas espalhas pela cidade (Foto: Sinal do Saber/Divulgação)

Erick Gimenes, no G1

O advogado Lutero de Paiva Pereira decidiu espalhar faixas com dicas de gramática pelas ruas de Maringá, no norte do Paraná, para combater os “vícios de linguagem” praticados comumente pela população, segundo ele. A ideia, batizada como “Sinal do Saber”, começou nos sinaleiros, em julho de 2013, e agora já chegou a parques e pontos turísticos do município.

Os banners são amarelos, chamativos. Enquanto os motoristas paravam no sinaleiro, o recado era dado: “Não existe a palavra “menas”, somente menos”; “O plural é troféus e não “troféis”; “Não é “perca” de tempo, mas perda de tempo.”

“A palavra tem o poder de construir e destruir. Quando as pessoas percebem que elas podem ser usadas corretamente, elas se apaixonam, se sentem bem. Existe prazer em aprender. Queria colocar nossa língua mais perto das pessoas. E estou conseguindo”, comemora.

Com o sucesso do projeto, o advogado resolveu pedir apoio a alguns amigos para expandir a iniciativa. Vários deles compraram a ideia e financiaram mais faixas, que logo foram fixadas em pontos conhecidos de Maringá, como o Parque do Ingá.

O “Sinal do Saber” alcançou, também, os canteiros de obra. Pereira levou a ideia para um amigo, dono de uma construtora. Os dois decidiram sanar as dúvidas de mestres de obras, pedreiros e engenheiros com faixas parecidas com as que eram mostradas nos sinaleiros.

Lutero de Paiva quer combater o uso dos 'vícios de linguagem'. (Foto: RPC TV Maringá/Reprodução)

Lutero de Paiva quer combater o uso dos ‘vícios de
linguagem’. (Foto: RPC TV Maringá/Reprodução)

Em meio a lajotas e sacas de cimento, o advogado pendurou placas que ensinam a pronúncia correta de palavras que cotidianamente estão na boca de quem trabalha nas construções: “betoneira” em vez de “bitoneira”, “mulher” em vez de “muié”, “vassoura” em vez de “bassoura”, por exemplo.

“Fiquei surpreso com a repercussão nos canteiros de obra. É incrível ver a alegria daqueles homens, que tiveram poucas oportunidades na vida, ao aprender uma palavra corretamente. Eles repassam o conhecimentos para os filhos, para os netos. É muito satisfatório”, confessa.

Atualmente, são 18 faixas espalhadas por Maringá. A ideia, segundo Pereira, é criar ainda mais banners na cidade. “Estou negociando com shoppings e outras mídias para expandirmos a ideia. Agora, quero trabalhar com etimologia [o significado das palavras] e com informações gerais sobre o mundo, geografia, história”, anuncia o advogado. “Maringá é linda. Precisa ser tão bonita culturalmente, também. É o que estou tentando fazer”, afirma.

Vicíos de linguagem podem ser importantes, diz professora

A coordenadora do curso de Letras do Centro Universitário de Maringá (Unicesumar), Fabiane Carniel, afirma que as faixas são formas interessantes de discutir a língua portuguesa. No entanto, ela garante os vícios de linguagem cumprem função importante quando vistos pela linguística, a ciência que analisa a língua em seu uso no dia a dia.

“Os vícios não são erros, são inaquações, como dizemos no curso de Letras. Embora não estejam de acordo com as regras normativas, esse tipo de equívoco serve para aperfeiçoar a comunicação falada. Logo, tem sua importância. Não podemos desprezá-los. Temos que refletir, sim, e mostrar os dois lados da moeda, criando opções para que o locutor use da forma que ele entender ser mais adequada”, explica a professora.

A coordenadora lembra, porém, que existem situações que os vícios de linguagem não são admitidos. “A importância de se saber bem a gramática normativa é que existem situações em que ela é necessária. Nas universidades, por exemplo, não dá para usar a linguagem informal em trabalhos acadêmicos. É preciso que as pessoas dominem as regras, desde a escola”, sugere.

Fabiane conta que observou uma das faixas em um parque de Maringá e presenciou uma situação inusitada. “A faixa me chamou a atenção, até porque sou da área. Envolvia a palavra cadarço. Lembro que havia uma pichação muito curiosa. Escreveram: ‘Você sabi o que é linguística? (sic)’, com a letra “i”. Olha que curioso. A pessoa sabe o que é a linguística e qual é a importância dela, mas tropeça em um erro de gramática”.

dica do Chicco Sal

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments