Mark Oppenheimer, na Folha de S.Paulo

Sarah Young pode ser difícil de encontrar, mas seus livros estão por toda parte.

“O Chamado de Jesus”, de Young, é uma coletânea de 365 textos curtos de devoção entrelaçados com trechos da Bíblia.

Desde que foi lançado, em 2004, o livro já vendeu 9 milhões de exemplares em 26 línguas. No primeiro semestre de 2013, vendeu mais exemplares que “Cinquenta Tons de Cinza”. Young já escreveu outros dois livros de devoção desde então, além de livros voltados para crianças e adolescentes e uma Bíblia com o tema “Jesus está chamando”.

O que mais impressiona é que Sarah Young virou uma marca rentável apesar de praticamente não conceder entrevistas nem comparecer em público como autora. Prejudicada pela doença de Lyme e outros problemas de saúde, ela geralmente sai pouco de casa. Quase não há fotos públicas da autora, que se nega a falar ao telefone.

Assim, se um repórter quiser lhe perguntar sobre seu trabalho –que vem provocando polêmica por ser escrito em primeira pessoa na voz de Jesus, como se Cristo tivesse feito novas revelações diretamente a Young–, as perguntas devem ser enviadas por e-mail, e a autora as responderá por escrito.

Uma edição recente da “Christianity Today” trouxe um longo artigo sobre Sarah Young, citando vários teólogos que expressaram preocupações com seu trabalho. “Os leitores críticos querem saber: será que Young pensa realmente que Jesus está falando diretamente com ela?”, escreve Melissa Stefan, autora do texto.

Kriss Bearss, responsável pelos livros de Young na editora Thomas Nelson, disse que os críticos da autora não entendem as nuances do projeto dela. “Young não diz que Jesus fala com ela”, explicou Bearss.

“Acho que ela foi bastante clara a esse respeito nos prefácios de seus livros. Ela não pensa, de modo algum, que seus textos sejam sagrados ou que ela tenha recebido novas revelações.”
Na introdução de “O Chamado de Jesus”, Young escreve: “Decidi ouvir Deus com a caneta na mão, escrevendo o que acreditava ser o que Ele estava dizendo”.

Sarah Young se formou no Wellesley College, no Massachusetts, em 1968, é casada com um missionário presbiteriano e tem dois filhos e dois netos. Está no processo de se mudar da Austrália para o Tennessee.

Na teologia protestante tradicional, as revelações de Deus cessaram desde os tempos bíblicos. Pessoas que alegassem receber ensinamentos novos diretamente de Deus estariam se declarando profetas. Para uma presbiteriana como Sarah Young, isso é proibido. Mas Young disse que está fazendo algo diferente.

“Concordo que a revelação parou, na medida em que a Bíblia está completa”, escreveu Young. “Mas o que eu faço é escrever textos de devoção. Para isso, peço a Jesus que guie minha mente quando passo tempo com Ele –para me ajudar a pensar os pensamentos d’Ele.”

Em certo sentido, o que ela faz não é nada de novo. Existe uma longa tradição de cristãos que interpretam a presença de Deus na vida das pessoas. “Os textos de devoção são um gênero fundamental na categoria de escritos religiosos do setor editorial cristão”, disse Lynn Garrett, que cobre livros de religião para a “Publishers Weekley”.

O trabalho de Young é incomum por usar a voz de Jesus na primeira pessoa, e é fácil perceber como isso pode incomodar alguns cristãos tradicionalistas. Mas, quando se lê um número suficiente dos textos da série, o argumento da autora de que Jesus não está falando se torna mais plausível.

Aparecem metáforas bizarras, que não soam como algo que poderia ser dito por Jesus: “Seus pensamentos cercam o problema como lobos famintos”, diz um texto devocional em “O Chamado de Jesus”. E há o jargão contemporâneo de textos sobre bem-estar: “Sua capacidade de concentração pode ser prejudicada por estresse e fadiga”, lemos em “Jesus Today”.

Esse livro, posterior a “O Chamado de Jesus”, foi escolhido o Livro Cristão do Ano de 2013. Há um app “Jesus chamando” para smartphones e há audiolivros, agendas e outros produtos.

Quer Sarah Young esteja falando como Jesus, sobre Jesus ou com Jesus, sua voz está sendo ouvida. Se não literalmente, em telas e páginas –milhões delas.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments