Entre os 20% mais pobres, 29% estão fora da educação infantil; nos colégios públicos, apenas 44% têm banheiro adequado

1

Antônio Gois em O Globo

RIO — A desigualdade na educação brasileira começa desde cedo, e não se resume apenas ao acesso à escola. O IBGE comparou a frequência à escola de crianças de 4 e 5 anos por nível de renda. No grupo que concentra os brasileiros que estão entre os 20% mais ricos da população, apenas 7,5% das crianças estão fora da escola. Já entre os 20% mais pobres, este percentual cresce para 29%.

Não bastasse o acesso desigual, uma vez matriculados numa pré-escola, estabelecimento que atende a este grupo etário, a diferença na qualidade já é sentida desde cedo. A partir de dados do censo escolar do MEC, o IBGE identificou que a maioria das crianças matriculadas em pré-escolas públicas estuda em estabelecimentos sem parque infantil e banheiro adequado à educação infantil. Enquanto na rede pública a proporção de matrícula em estabelecimentos com esses equipamentos é de, respectivamente, de 47% e 44%, na rede privada, essas proporções crescem para 86% e 79%, respectivamente.

Como em quase todos os indicadores sociais do país, quando os dados de acesso à pré-escola são comparados ao longo do tempo, há melhorias significativas. De 2002 a 2012, o número de crianças de 4 e 5 anos fora da escola caiu de 43% para 22%, e os avanços foram maiores no grupo mais pobre. Até 2016, a matrícula nessa faixa etária será obrigatória, o que indica que ainda há um esforço a ser feito para se adequar à nova legislação.

— Houve avanço no acesso do grupo de quatro e cinco anos à escola, mas para universalizar ainda é preciso um esforço grande — disse Barbara Cobo, pesquisadora do IBGE.

O aumento do acesso à escola nessa faixa etária depende não apenas da oferta de escolas, mas também de questões culturais, explicou a presidente do IBGE, Wasmalia Bivar:

— O acesso de crianças de 4 e 5 anos à escola regionalmente ainda é muito desigual. Isso tem a ver não apenas com acesso, mas também com questões culturais. A região com menor acesso é a Sul, que é também a mais rica. Aí se vê a questão cultural.

Se a média brasileira é de 78,2% das crianças de 4 e 5 anos na escola, no Sul essa taxa é de 71%, frente a 84% no Nordeste, 82% no Sudeste, 63% no Norte e 70,6% no Centro-Oeste.

Wasmália citou a educação como uma das áreas de maior avanço nos últimos dez anos e de redução da desigualdade. Ela destacou, no entanto, que é preciso ampliar a oferta de creches públicas, para facilitar o acesso de mulheres com filhos ao mercado de trabalho, e também criar incentivos para manter os jovens nas escolas, que hoje se sentem atraídos pelo mercado de trabalho.

— O adolescente é atraído pelo mercado de trabalho, pela renda, e é preciso manter esse jovem na escola — disse Wasmália.

Escolaridade média de 7,6 anos

Considerando a população adulta com mais de 25 anos de idade, os dados da Síntese dos Indicadores Sociais do IBGE mostram que o brasileiro ainda não atingiu sequer a média de oito anos de estudo, o que significa que não completou o ensino fundamental. Em 2012, a escolaridade média do brasileiro era de 7,6 anos. Dez anos antes, era de 6,1. Neste caso, no entanto, também houve redução da desigualdade. Entre os brasileiros que estão entre os 20% mais pobres, o avanço foi de 3,3 anos médios de estudo (nível que pode ser classificado como analfabeto funcional) para 5,2. Entre os mais ricos, o avanço foi de 9,7 anos de estudo para 10,7. Mesmo nesse grupo, no entanto, em média, o brasileiro não chega a completar 11 anos de estudo, o que significa ter completado o ensino médio.

Jovens de 15 a 29 anos: 9,6 milhões não estudam nem trabalham

Em 2012, de acordo com dados do IBGE, 9,6 milhões de jovens de 15 a 29 anos — um em cada cinco — não frequentavam a escola e não trabalhavam. Nesse grupo, um terço (32,4%) não havia completado o ensino fundamental. Entre os que tinham de 15 a 17 anos, 56,7% não completaram essa essa etapa escolar. Além disso, a pesquisa mostrou que a maioria dos “nem-nem” é mulher (70.3%) e que 58,4% delas têm um ou mais filho.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments