As promoções de fim de ano são um teste para a sanidade (e o bolso) de qualquer leitor

Danilo Venticinque na revista Época

http://1.bp.blogspot.com/-c12jtwJDoFc/TpsQcalSL_I/AAAAAAAAEA8/XKG7zjVHBNg/s1600/Livraria%2BGutenberg%2B10.jpg

No dia 31 de dezembro do ano passado, prometi que não compraria livros em 2013. Tomei essa decisão depois de olhar para minha estante e admitir que, por maior que fosse a minha dedicação à leitura, um ano seria pouco para zerar a minha lista de livros comprados e não lidos. Só a abstinência a impediria de continuar crescendo até sair do controle. Se é que eu ainda a controlava.

Logo descobri que ambos eram incontroláveis: a lista de livros não lidos e o meu impulso consumista. Aproveitei uma promoção para fazer duas compras no próprio dia 31, com a desculpa de que 2013 ainda não havia começado. Seria o último pedaço de bolo antes do regime. Mas não houve regime. Antes que janeiro terminasse eu havia quebrado a promessa novamente, por culpa de outra promoção imperdível. Refiz e quebrei a promessa mais duas ou três vezes antes de admitir minha derrota. Prendi novas estantes no quarto. Já estão quase cheias.

 

Dezembro e janeiro são meses difíceis para leitores que querem manter o controle. As férias de fim de ano nos dão mais tempo para ler, e as promoções em livrarias físicas e virtuais são tentadoras. Com a chegada da moda da Black Friday ao Brasil, as ofertas já surgem no último fim de semana de novembro. São muito bem-vindas: como os livros ainda são caros no país, os leitores mais pacientes aproveitam essas ocasiões para aumentar seu poder de compra. Com a quantidade e a frequência dos descontos, sobretudo no fim do ano, só os apressados ou distraídos compram livros pelo preço de capa.

O problema é não saber a hora de parar. Nos leitores menos controlados, as promoções despertam um instinto de posse. Acumulamos livros sem necessidade, por não saber quando será a próxima promoção e pelo simples prazer de tê-los, embora não sejamos capazes de ler tudo o que compramos.

 

Há quem diga que comprar um livro é tão bom quanto lê-lo. É um disparate, evidentemente. Mas comprar um livro é muito melhor que não comprar um livro. Criamos algum vínculo com os livros que compramos, mesmo que a lombada esteja intacta e nunca tenhamos passado do prefácio.

 

Não acredita? Imagine uma conversa com outro leitor. Imagine que, em meio a comentários sobre suas preferências literárias, ele lance uma pergunta: “Você já leu Grande sertão: veredas, do Guimarães Rosa?” – ou qualquer outro livro, de qualquer outro autor. Cada resposta vem acompanhada de uma sensação diferente. “Já li, claro” é uma vitória completa. Cubra-se de glórias, a não ser que você esteja mentindo. “Não li” é uma derrota e uma confissão de ignorância. Algo natural e até saudável, mas que poucos egos estão dispostos a suportar. Melhor dar outra resposta. “Tenho, mas não li” é um saboroso prêmio de consolação. Você continua desconhecendo o conteúdo do livro, mas as histórias de Riobaldo e os encantos de Diadorim estão lá, te esperando, ao alcance das suas mãos. Falta só encontrar tempo para eles. Há leitores que se alimentam desse pequeno prazer e esnobam grandes livros por anos, até finalmente tomar vergonha e lê-los. “Hoje não, Guimarães Rosa. Não insista. Deixe-me terminar os russos primeiro.”

O prazer irracional de comprar livros que não lemos pode se tornar um vício. O primeiro passo para vencê-lo é admitir que temos um problema. Depois disso, precisamos testar nossa força de vontade aos poucos. Minha decisão de passar um ano inteiro sem compras foi obviamente precipitada.

 

Minha nova tentativa será mais modesta. Não passarei 2014 sem comprar livros, mas só comprarei livros em 2014. Dezembro será um mês de jejum. A única exceção (sempre há uma) serão os presentes para parentes e amigos. Compras para uso pessoal estão proibidas.

 

Será difícil, mas devo sobreviver. Aproveitarei a ocasião para me dedicar às leituras atrasadas e diminuir, finalmente, a pilha de livros não lidos. Talvez arrume minhas estantes e faça algumas doações, já que o espírito é de desprendimento. Um consolo é saber que o Natal se aproxima. Sempre há  chances de receber presentes. Fica o convite para colegas, amigos e familiares. As promoções devem começar logo. São ótimas. Comprem livros.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments