As férias de fim de ano são uma ótima ocasião para descobrir (ou reencontrar) o prazer de ler

Danilo Venticinque, na Época

Há pouco tempo uma amiga me mostrou um site com sugestões de presentes de Natal para pessoas que amam livros. A lista era imensa, cheia de imagens e quase sem texto, como quase tudo o que é publicado na internet ultimamente. E, como quase tudo o que é publicado na internet, era uma lista inútil. Havia pesos de papel transparentes, marcadores de diversos tamanhos e formatos e os mais bizarros tipos de estantes. Tudo, menos aquilo que os leitores mais querem ganhar no Natal: livros.

Leitores são, por natureza, seres fáceis de presentear. Basta ir à livraria, passar alguns minutos olhando para as estantes e escolher algo que pareça ser remotamente interessante para quem receberá o presente. Não conhece a pessoa? Não tem problema. Invista na prateleira de lançamentos – ao menos a chance de dar um presente repetido é pequena, e você ainda será visto como alguém bem-informado. Se bater um desespero, peça ajuda a um livreiro. Eles são especialistas em encontrar o livro perfeito com base em informações fragmentadas e aparentemente inúteis. Não conhece seu amigo secreto, mas sabe que ele usa camisas xadrez, é publicitário e talvez torça para o Palmeiras? Não se preocupe. O livreiro encontrará algo para ele.

Dar e receber livros é uma das minhas maiores alegrias no Natal. Gosto até de receber livros que já tenho: é uma prova de que a pessoa que deu o presente me conhece bem e soube decifrar minhas preferências. Quando isso acontece, normalmente fico com o exemplar que ganhei de presente e repasso o que comprei. Dar livros é igualmente divertido. Se um amigo gosta de ler, é impossível errar no presente. Se ele não gosta, cada presente é uma chance de apresentá-lo ao prazer da leitura. Qualquer um pode aprender a gostar de ler. Basta encontrar o livro certo.

Para ajudar nessa tarefa, preparei uma lista com sete lançamentos recentes que podem ser bons presentes de Natal. São leituras prazerosas, feitas para agradar tanto aos fanáticos por livros quanto aos que ainda não fazem parte do time. Resistir é inútil. As férias de fim de ano são uma ótima ocasião para descobrir (ou reencontrar) o prazer de ler.

***

11 – Manual prático de bons modos em livrarias (Seoman, 232 páginas, R$ 32)

Funcionária de uma livraria, Lilian Dorea narra algumas das situações mais inusitadas que viveu em seu trabalho.

Há clientes que entram na livraria e procuram a prateleira dos e-books.

Outros (muitos) tentam encontrar um livro sem saber absolutamente nada sobre ele.

E há até quem pergunte para um livreiro se a livraria vende livros.

As pequenas histórias foram publicadas originalmente num blog com o mesmo nome.

Ratos de livraria e compradores compulsivos de livros vão ler, rir e se identificar.

Leigos no assunto terão uma oportunidade divertida de conhecer um pouco melhor o mundo dos leitores.

 

 

12 – A anatomia da influência (Objetiva, 460 páginas, R$ 49,90)

O “canto do cisne” do crítico literário Harold Bloom é o livro mais imperdível do ano para apreciadores de crítica literária.

Aos 83 anos, Bloom revisita o ensaio A angústia da influência, que o tornou um dos críticos mais célebres do mundo nos anos 1970.

Ao contrário de muitos de seus colegas de profissão, Bloom tem uma prosa fluente e amigável.

Não é preciso ter concluído um doutorado para entender e apreciar o que ele tem a dizer.

 

 

 

 

 

 

 

13 – 1Q84 – trilogia completa (Alfaguara, 1280 páginas, R$ 119)

Best-seller internacional e eterno candidato ao Nobel de Literatura, o japonês Haruki Murakami é capaz de empolgar tanto os literatos quanto quem lê por diversão.

A trilogia 1Q84 é seu trabalho mais ambicioso.

Ao longo de três volumes e quase 1300 páginas, em clima de realismo fantástico, o autor narra a história do professor de matemática Tengo e da assassina de aluguel Aomame, cujas vidas se entrelaçam numa realidade paralela em Tóquio, em 1984.

 

 

 

 

 

 

 

14 – Se eu fosse um livro (Globinho, 62 páginas, R$ 46)

Fruto de uma bela parceria entre pai e filho, é uma ótima escolha para presentear crianças que gostam de ler.

O poeta português José Jorge Letria parte de uma premissa inusitada se perguntássemos a um livro sobre suas vontades, seus sonhos e suas expectativas em relação aos leitores, o que ele responderia?

Os poemas curtos e divertidos são ilustrados por André Letria, filho de Jorge.

 

 

 

 

 

 

 

 

15 – Ódio, amizade, namoro, amor, casamento (Biblioteca Azul, 360 páginas, R$ 44,90)

O Nobel de Literatura tradicionalmente premia escritores obscuros, cujo trabalho um leitor leigo nem sempre é capaz de apreciar.

A canadense Alice Munro é uma exceção: quando ganhou o prêmio, em outubro, já era uma contista conhecida internacionalmente, com textos que prendem e comovem qualquer leitor.

Esta coletânea de 2002, que acaba de ser republicada, é uma excelente introdução à sua obra.

 

 

 

 

 

 

 

 

16 – Como pensar sobre as grandes ideias (É Realizações, 576 páginas, R$ 98)

Autor de Como ler um livro (outro excelente presente de Natal), o filósofo americano Mortimer Adler usa clássicos da história da literatura como base para mostrar como a discussão dos grandes temas da humanidade (amor, justiça, morte, liberdade e dezenas de outros assuntos) evoluiu ao longo da história.

Baseado num programa de televisão veiculado nos anos 1950, o livro tem um tom amigável e coloquial.

É uma ótima maneira de começar a descobrir os clássicos da literatura, e um bom resumo para os já iniciados.

 

 

 

 

 

 

17 – O clube do livro do fim da vida (Objetiva, 296 páginas, R$ 37,90)

Quem acompanha a coluna há mais tempo já deve ter visto este livro por aqui. Will Schwalbe, ex-executivo de uma editora, conta a história dos dois anos em que acompanhou as sessões de quimioterapia de sua mãe, diagnosticada com câncer no pâncreas.

É um belo presente para quem gosta de livros e de histórias de vida emocionantes.

Alguém não gosta?

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments