Lya Luft deve lançar em março "O Tempo É um Rio que Corre" Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Lya Luft deve lançar em março “O Tempo É um Rio que Corre” Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Ensaios, romances de tons pop, continuações e uma boa leva de livros dedicados aos jovens são alguns dos destaques

Publicado no Zero Hora

O Segundo Caderno garimpou as novidades e os lançamentos que escritores gaúchos prometem para 2014:

LYA LUFT
> A autora volta ao ensaio literário e confessional, gênero no qual se tornou best-seller nacional com Perdas & Ganhos (1999). O novo livro, com previsão de lançamento em março, chama-se O Tempo É um Rio que Corre e aborda, em uma prosa que se dirige diretamente ao leitor, a finitude, o envelhecimento e a aceitação das mudanças provocadas pela passagem do tempo. Trabalha ainda com dois projetos para este ano, sem data definida: uma antologia de poemas e o quarto livro de sua série infantil, A Bruxa Boa e o Bosque Divertido.

 

MAX MALLMANN
> Deve lançar em março As Mil Mortes de César, continuação da aventura histórica iniciada com O Centésimo em Roma (2010). No primeiro século da era Cristã, o protagonista, o militar Desiderius Dolens, depois de ascender a cavaleiro no livro anterior, cai em desgraça com a derrota de Otho, o imperador a quem servia, em uma guerra civil. Ele precisa conquistar, então, os favores de um novo candidato a César.

 

CÍNTIA LACROIX
> Autora finalista do Prêmio São Paulo de Literatura em 2010 com seu livro de estreia, Sanga Menor, Cíntia Lacroix publica em abril seu segundo romance, intitulado Tarantata, que narra a história de uma família do sul da Itália atingida por uma maldição ancestral quando a caçula é picada por uma tarântula e começa a apresentar sinais de tarantismo, uma espécie de loucura transmitida pela picada do aracnídeo.

 

FABRÍCIO CARPINEJAR
> Apresenta em abril um volume de crônicas inéditas em livro, Me Ajude a Chorar. Também está trabalhando em seu primeiro livro de poemas em sete anos (o último havia sido Meu Filho, Minha Filha, de 2007). Na obra, composta de um único longo poema, o poeta se imagina morto e reflete sobre o que deixará para trás e quem será sua viúva.

 

LETICIA WIERZCHOWSKI
> Tem programado para este ano o lançamento de duas obras infantis, em parceria com o artista gaúcho Cado Botega, responsável pelas ilustrações. Os dois volumes, Come Menino e Dorme Menino, brincam com a atribulação mais frequente dos pais de crianças novas: fazer com que seus filhos comam e durmam na hora certa.

 

CHARLES KIEFER
> Tem prevista já para janeiro a quarta edição de seu livro de contos Um Outro Olhar, que recebeu o Prêmio Jabuti e o Prêmio Afonso Arinos, da Academia Brasileira de Letras, em 1993. Para o segundo semestre, prepara a publicação de um novo, romance, Dia de Matar Porco, obra que retoma a temática violenta já explorada pelo autor em O Escorpião das Sextas-Feiras. O romance, de declarada inspiração freudiana, encena a morte de um pai na região de colonização alemã que é o pano de fundo recorrente do autor.

 

 

JANE TUTIKIAN
> Lança, no segundo semestre, um livro juvenil chamado Dani das Nuvens, sobre um aluno gente boa mas completamente desligado, que não consegue prestar atenção nos conteúdos de sala de aula. Trabalha também em um novo livro de contos, com conclusão prevista para julho, mas ainda sem data de publicação.

 

CAIO RITER
> Deve lançar no primeiro semestre: Futurações, um livro de poemas sobre temas da adolescência; Duas Vezes na Floresta Escura, narrativa juvenil sobre uma jovem que vai morar em uma cidade isolada e o infantil Maria e o seu Sorriso na Janela.

 

LUÍS DILL
> Prolífico, tem cinco novelas no forno. Final de Linha é ambientada no Trensurb. Na Companhia de Ágata narra uma aventura em Porto Alegre. Safári é um romance policial. Longe, Tão Perto é uma história infantil narrada por um personagem que ainda não nasceu. O Telephone trata de comunicação com o passado.

 

ANTÔNIO XERXENESKY
> Tem programado para maio seu novo romance, F para Welles – um capítulo da obra já havia sido antecipado na edição da revista Granta dedicada a autores brasileiros (2012). O romance, ambientado na cidade americana de Los Angeles, em 1985, narra a história de uma brasileira que se torna assassina de aluguel. Contratada para matar o cineasta Orson Welles, ela toma contato com a obra do autor e desenvolve uma fixação por seus filmes.

 

 

MARCELO BACKES
> Prevê para outubro a publicação de um novo romance, A Casa Cai. Na trama, que tangencia a história imobiliária do Rio, um homem recebe uma herança do pai recentemente falecido e decide reformar, com as próprias mãos, uma casa para sua mulher – em um processo que escava o passado do personagem e o do país.

 

REGINALDO PUJOL FILHO
> Dá os últimos retoques em um romance escrito durante uma temporada em Portugal. Com o título provisório de O Livro Acaba Aqui, a narrativa enfoca um professor angustiado tentando se adaptar a uma sociedade em um futuro próximo na qual o papel foi proibido. Deve sair em 2014, mas ainda não há data confirmada.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments