Esse é o momento, perfeito para começar a programar as leituras

Publicado no Divirta-se

20140118114328446535iHá boas razões para aproveitar o finzinho de janeiro fazendo uma última lista. Não de resoluções, mas de adiantamentos. Este ano, pelo menos 21 livros de autores brasileiros, americanos e ingleses devem chegar às telas em longas que prometem bilheteria generosa. Na agenda internacional, tem um pouco de tudo: vampiros, distopia, guerra, aventura e drama hospitalar. O cardápio brasileiro traz para as telas uma mistura de literatura contemporânea com clássicos. Para quem gosta de ler as páginas antes de ver o filme, este é o momento ideal para organizar a lista de leitura de 2014. O Diversão&Arte fez uma seleção dos livros que vão virar filme este ano. Alguns ainda não foram publicados no Brasil, mas já estão disponíveis em inglês em aplicativos de leitura ou em livrarias. A maioria, no entanto, pode ser encontrada com bastante facilidade em qualquer loja física ou on-line.

O primeiro a estrear, ainda este mês, será Quando eu era vivo, adaptação de A arte de produzir efeito sem causa, de Lourenço Mutarelli. Para este semestre, também estão programados A hora e a vez de Augusto Matraga, adaptação de conto homônimo de Guimarães Rosa, dirigido por Vinicius Coimbra. Da leva internacional, o destaque é para Divergente, adaptação do best-seller de Veronica Roth, previsto para março, e A culpa é das estrelas, baseado no sucesso de John Green. Antes, chegam às telas Labor day, longa com Kate Winslet baseado em romance de Joyce Maynard, e A long way down, a versão do diretor Pascal Chaumeil para livro de Nick Hornby. Veja ao lado em que livros ficar de olho até o fim do ano.

BRASILEIROS

Quando eu era vivo
Dirigido por Marco Dutra e com roteiro de Gabriela Amaral e do próprio diretor, o longa chega às telas no próximo dia 31 e tem no elenco Antônio Fagundes, Marat Descartes e Sandy Leah. A roteirista explica que foi preciso abandonar a obra original para dela ver emergir o roteiro. No livro de Mutarelli, Júnior é um personagem que, aos poucos, vê sumir as fronteiras entre a loucura e a sanidade. Após deixar emprego e mulher, ele se muda para a casa do pai e passa os dias entre o sofá da sala, um olho de fechadura e um bar. Para levar a história da plataforma literária para a audiovisual, Gabriela procurou no texto equivalências que funcionassem na dramaturgia. O tom caótico, descontínuo e desorientado que Mutarelli imprime na narrativa para evidenciar a loucura do personagem foi um desafio. “Nos mantivemos fiéis à essência da obra original, no sentido de que foi preservada a sua essência expressiva”, garante a roteirista, em texto no qual explica o processo de adaptação.

Tim Maia
Em agosto, chega às telas a biografia Tim Maia, baseada no livro Vale tudo, de Nelson Motta. A escritora Antonia Pellegrino ficou responsável pelo roteiro e a direção de Mauro Lima promete revelar um Tim Maia pouco conhecido do público em geral. Cauã Reymond interpreta Fábio, músico que narra a história (no livro, Nelson Motta). Robson Nunes faz Maia jovem e Babu Santana, o cantor na fase black power. A Janaína pela qual Tim Maia foi apaixonado a vida inteira é vivida por Alinne Morais, e Carmelo Maia, filho do cantor, trabalhou como consultor do filme.

A hora e a vez de Augusto Matraga
Exibido uma única vez no Festival do Rio de 2011, somente agora, no primeiro semestre de 2014, o longa de Vinicius Coimbra chega ao circuito nacional. Com João Miguel no papel do protagonista, o longa é adaptação fiel do conto de Guimarães Rosa. Matraga é um valentão que acaba traído pelo excesso de confiança em si mesmo. Para o produtor Herbert Grauss, o maior desafio da adaptação está em manter a originalidade da linguagem roseana. Durante a preparação de elenco, os atores receberam treinamento em prosódia para acertar o modo de falar. “Para fazer adaptação de livro tem que ter muito cuidado porque a maioria dos livros é muito melhor do que os filmes”, diz Grauss. “No Matraga, o desafio é não perder a essência do Rosa e fazer um filme para as pessoas assitirem em 2014.”

O gorila
No conto de Sérgio Sant’Anna, Afrânio vive recluso e utiliza o telefone para conversar com mulheres e alimentar suas fantasias. A voz potente e máscula ajuda. No entanto, um dia ele precisa deixar o apartamento para evitar uma tragédia. José Eduadro Belmonte começou a filmar o longa enquanto terminava a montagem de Billi Pig, que estreou em 2012. No elenco, estão Mariana Ximenes, Otávio Müller, Luíza Mariani e Alessandra Negrini. A adaptação ficou por conta de Claudia Jouvin, que já escreveu episódios para A grande família e A diarista. O filme ainda não tem data de estreia, mas deve ficar pronto este ano.“É importante a gente trazer cada vez mais a literatura para o cinema, principalmente a nossa literatura contemporânea, porque acho que os escritores brasileiros estão mandando muito bem. Agora, é um desafio, é um abismo entre o livro e o roteiro”, repara Otávio Müller, que também deve adaptar para o cinema A vida sexual da mulher feia, de Claudia Tajes.

ESTRANGEIROS

Drama
O primeiro lançamento do ano chega aos cinemas no fim do mês e tem Kate Winslet e Josh Brolin como protagonistas da adaptação de Refém da paixão (Jason Reitman), de Joyce Maynard. Na tela, uma mãe entediada e seu filho de 13 anos são sequestrados por um fugitivo até que a mãe se apaixona por seu algoz. George Clooney e Cate Blanchet conduzem o drama Caçadores de obras-primas, inspirado em livro homônimo de Robert M. Edsel e Bret Witter. A história real de um exército encarregado de salvar as obras de arte da ganância nazista durante a Segunda Guerra chega ao cinema pelas mãos do próprio Clooney. O lançamento nos Estados Unidos está programado para fevereiro. Um conto do destino, a fábula sobre um amor interrompido por uma trágica doença, já ganhou as telas com Richard Ghere e Winona Ryder. Agora, quem protagoniza o drama é Collin Farrell e Jessica Brown. Mas um dos longas mais esperados na categoria drama é A culpa é das estrelas, o livro de John Green sobre uma menina com câncer em estado terminal. Com Shailene Woodley e Ansel Elgort como protagonistas e sob direção de Josh Boone, o filme deve estrear em junho. Green já havia vendido os direitos de outros livros para estúdios de Hollywood — Quem é você, Alaska? já tem roteiro pronto na Paramount —, mas A culpa é das estrelas é o primeiro a realmente chegar ao cinema. O autor não se envolveu com a confecção do roteiro, mas escreveu em seu site que confia no trabalho dos roteiristas. “As pessoas que foram contratadas para escrever o roteiro estão entre meus autores favoritos de Hollywood, logo, estou interiamente confiante de que elas vão escrever um roteiro melhor do que o que eu escreveria”, garante. Para o fim do ano, outro lançpamento esperado é Invencível, primeiro filme dirigido por Angelina Jolie. Baseado em livro de Laura Hillebrand, autora de Seabiscuit, o filme acompanha o drama de Louis Zamperini, atleta olímpico que ficou à deriva no oceano quando seu avião foi derrubado por inimigos durante uma batalha na Segunda Guerra.

Fantasia
Distopia e vampiros marcam as narrativas de fantasia que ganham as telas este ano. O mais esperado é Divergente, previsto para março. O primeiro volume de uma série de três foi escrito por Veronica Roth em 2011 e chegou a ser comparado a Jogos vorazes, de Suzanne Collins. No elenco, Shailene Woodley (A culpa é das estrelas), Kate Winslet e Theo James devem atrair, principalmente, os adolescentes. O doador também vai trazer a distopia para as telas sob direção de Philip Noyce. O elenco é cheio de celebridades — Meryl Streep, Alexander Skarsgard, Jeff Bridges, Katie Holmes e Taylor Swift — e a história vem do livro homônimo de Lois Lowry. No conto escrito para o público infantojuvenil, em uma sociedade perfeita, na qual doenças e males foram erradicados, um garoto é escolhido para receber as memórias de um passado nada glorioso. Menos promissores, Vampire academy: o beijo das sombras, adaptação do livro de Richelle Mead, e The maze runner (James Dashner) dão continuidade ao fenômeno distópico que aterrissou na literatura juvenil nos últimos quatro anos.

Comédia
Sem tradução no Brasil, A long way down é o próximo Nick Hornby a ser adaptado para as telas. O encontro hilário de quatro suicidas faz nascer uma amizade improvável. Na direção, o francês Pascal Chaumeil, mais conhecido por trabalhos para a televisão e pela assistência de direção de Luc Besson em O profissional. A morte do pai e a traição da mulher não são suficientes para balançar a vida de Judd Foxman, protagonista de Sete dias sem fim, de Jonathan Tropper. Ocupante de uma posição cobiçada na lista dos mais vendidos do The New York Times, o romance foi adaptado pelo próprio autor e terá direção de Shawn Levy (Uma noite no museu).

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments