Estudantes criam campanha multimídia que evidencia racismo presente em uma das instituições mais prestigiadas do mundo

Estudante exibe cartaz que diz “Nunca vi um negro fazer isso” Reprodução/Facebook

Estudante exibe cartaz que diz “Nunca vi um negro fazer isso” Reprodução/Facebook

Publicado em O Globo

RIO – “Você tem sorte de ser negro… é tão fácil entrar na faculdade”. “Vocês são rápidos porque estão acostumados a fugir da polícia?”. “Nunca vi um negro fazer isso”. Estas e outras frases chocantes foram dirigidas a alunos da prestigiada Universidade de Harvard, em Cambridge, nos EUA. Agora, as mesmas palavras ofensivas estampam cartazes nas mãos de estudantes que se deixaram fotografar para lançar o projeto multimídia “I, too, am Harvard” (“Eu também sou Harvard”).

A campanha deixa evidente o preconceito em uma das instituições de ensino superior mais famosas do mundo. Além de página no Facebook, perfil no Twitter e um tumblr, os organizadores montaram um espetáculo teatral, que estreia nesta sexta-feira, e produziram um vídeo que, em três dias, passou de 90 mil visualizações no YouTube.

“Assim que chegamos no campus, pessoas dizem que não merecemos estar aqui”, ressalta uma universitária no vídeo da campanha, explicando como alguns alunos brancos se sentem a respeito das políticas de afirmação no processo de seleção para Harvard. Outra estudante conta que, quando uma aula aborda questões raciais ou escravidão, todos na sala se voltam para ela, querendo ver como a jovem vai reagir. Seu depoimento se mistura ao de uma colega, que também vive a experiência constante de ser a única negra em diversas salas de aula em Harvard.

A campanha se assemelha a um movimento recente de alunos na Universidade de Coimbra, em Portugal. O grupo Lista R publicou diversas fotos de alunos sem rosto segurando frases xenófobas ouvidas dentro do campus. Muitas das agressões verbais haviam sido direcionadas a brasileiros. A campanha teve grande repercussão, fazendo com que a reitoria de Coimbra se posicionasse oficialmente a respeito do projeto.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments