O grupo adquiriu todos os selos de interesse geral da espanhola Santillana, que inclui 45% da Companhia das Letras e a Objetiva

Livros: no Brasil, a Santillana manterá apenas seu selo de livros didáticos, a Editora Moderna / Getty Images

Livros: no Brasil, a Santillana manterá apenas seu selo de livros didáticos, a Editora Moderna / Getty Images

Publicado por Época

São Paulo – Maior grupo editorial do mundo, a Penguin Random House adquiriu todos os selos de interesse geral da espanhola Santillana. No Brasil, a primeira detém 45% da Companhia das Letras e a segunda havia incorporado a Objetiva em 2005, o que significa que as duas concorrentes nacionais agora fazem parte do mesmo conglomerado.

Com o negócio, devem se tornar a segunda ou a terceira editora no Brasil – os dados não são precisos uma vez que resultados financeiros não são divulgados.

O anúncio foi feito na quarta-feira, 19, em Madri. Pelo acordo, a nova empresa Penguin Random House Brasil adquire a totalidade do controle da Editora Objetiva, incluindo os selos Alfaguara, Suma, Fontanar, Ponto de Leitura e Foglio.

O acordo inclui também os selos editoriais da Santillana da Espanha, Portugal e América de língua espanhola. No Brasil, a Santillana manterá apenas seu selo de livros didáticos, a Editora Moderna.

No Rio, os diretores da carioca Objetiva e da paulistana Companhia das Letras deram entrevista garantindo que nada mudará no dia a dia das casas, que se mantêm independentes.

“O editor é a matriz, tem a sensibilidade, a criatividade. Isso é o que move o desenvolvimento editorial de cada selo, isso não muda. Fala-se muito da questão global, mas se perde essa questão de vista”, disse Roberto Feith, fundador e diretor geral da Objetiva.

“Se, por um lado, existe o processo de consolidação, por outro, o DNA do trabalho editorial, a prática do dia a dia, não é afeito a isso, pois é totalmente individualizado. Na fusão da Penguin com a Random House, vimos uma união na área operacional, mas manutenção da área editorial absolutamente igual”, explicou Luiz Schwarcz, diretor geral da Companhia.

Segundo Feith, as conversas da Santillana com a Random House começaram em 2012, antes da fusão com a Penguin. “A união com a Companhia é bem-vinda pois se trata de uma editora-referência no mercado”, com um espírito parecido com o da Objetiva. Quanto à concentração do mercado, ele destacou que esta é uma tendência geral, “que se aplica ao mercado de telefonia ou de cerveja”.

Os dois editores continuam nas suas funções; a diferença é que Schwarcz (com sócios) ainda tem 55% da Companhia e Feith não é mais acionista da Objetiva. “Estou confortável. O acordo garante a perpetuação da editora”, afirmou Feith.

Com um volume de negócios da ordem de € 3 bilhões e alguns dos maiores best-sellers do mundo, como Dan Brown e John Grisham, a gigante Penguin Random House nasceu em julho de 2013, com a união das empresas de origem britânica e alemã, respectivamente, e controla um quarto da distribuição de livros no mundo. Quando do anúncio, foi divulgado que o Brasil estava na mira.

A Companhia das Letras e a Objetiva detêm, juntas, 10% do mercado brasileiro. As duas acreditam que a aquisição trará novas oportunidades para os autores nacionais e dará gás à comercialização de e-books no País, cujo faturamento hoje responde apenas por cerca de R$ 1 milhão de um total de R$ 5 bilhões em negócios.

Em Madri, Markus Dohle, diretor geral da Penguin Random House, disse que “a operação atende aos nossos dois principais objetivos estratégicos: fortalecer nosso compromisso com a publicação de livros em língua espanhola, incrementando nosso potencial comercial e literário em um dos mercados linguísticos mais dinâmicos do mundo, e estabelecer uma forte presença no Brasil”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments