Retrato do rei Carlos VII, cerca de 1450, óleo sobre madeira de Jean Fouquet, no Museu do Louvre, em Paris Divulgação

Retrato do rei Carlos VII, cerca de 1450, óleo sobre madeira de Jean Fouquet, no Museu do Louvre, em Paris Divulgação

Obras trazem heróis e figuras mitológicas que alimentaram o imaginário e mostra como era feito o comércio durante

Antônio Gonçalves Filho, no Estadão

A história pode ser contada de várias maneiras, mas, para entender seu significado, é preciso que o imaginário de cada época seja estudado sem preconceito – e decifrado, como o faz o historiador francês Jacques Le Goff em dois livros sobre o período injustamente chamado de “Idade das Trevas”. Le Goff, que escreveu sua primeira obra sobre a Idade Média em 1956, falando de comerciantes e banqueiros, retoma agora o tema num outro patamar em A Idade Média e o Dinheiro (Civilização Brasileira). Simultaneamente, a editora Estação Liberdade lança o luxuoso Homens e Mulheres da Idade Média, livro fartamente ilustrado que retrata 112 santos, heróis e figuras mitológicas que alimentaram o imaginário do homem medieval.

 São Tomás de Aquino, cerca de 1410, têmpera sobre madeira Andrea di Bartolo, pertencente à Staatsgalerie de Stuttgart, Alemanha Divulgação

São Tomás de Aquino, cerca de 1410, têmpera sobre madeira Andrea di Bartolo, pertencente à Staatsgalerie de Stuttgart, Alemanha Divulgação

Le Goff, que descobriu a Idade Média ainda criança, lendo o romance Ivanhoé (1820), de sir Walter Scott (1771-1832), ficou fascinado com os personagens secundários desse que é considerado o primeiro romance histórico e que descreve a luta entre saxões e normandos. Quando, mais tarde, escreveu sobre o personagem do cavaleiro na Idade Média, veio à memória do medievalista o cavaleiro Wilfred de Ivanhoé e o perverso templário Brian de Bois Guibert, adotados como referências. Le Goff, que completou 90 anos em janeiro, faz, em Homens e Mulheres da Idade Média, um exercício de antropologia histórica para oferecer um panorama fascinante do período com a colaboração de outros historiadores.

Chama a atenção nesse seu livro a predominância de santos entre os homens e mulheres escolhidos por sua equipe de colaboradores. Le Goff justifica: os santos, para ele, são uma “particularidade própria do cristianismo, pois não têm correspondentes nas outras religiões”. São os novos heróis, uma “novidade na paisagem europeia” medieval. Le Goff discorda de outros historiadores – especialmente os ingleses – quando esses se referem à Idade Média como um período obscurantista.

A “Idade das Trevas”, diz ele, foi uma invenção dos humanistas do Renascimento. Para Le Goff, ao contrário, a Idade Média “foi um longo período criativo e dinâmico” – e cujos traços essenciais, enfatiza, “estendem-se até o século 18, período em que ocorrem os dois acontecimentos fundamentais que criam a modernidade: o nascimento da indústria na Inglaterra e a Revolução Francesa”.

 Dante Alighieri no inferno, segundo Domenico di Michelino, afresco na catedral Santa Maria di Fiore, em Florença, Itália Divulgação

Dante Alighieri no inferno, segundo Domenico di Michelino, afresco na catedral Santa Maria di Fiore, em Florença, Itália Divulgação

Le Goff não faz vista grossa para os aspectos negativos da Idade Média, que viu nascer a Inquisição, crescer a intolerância religiosa, a tortura, o senso hierárquico da aristocracia e o macabro. Mas lembra que a Idade Média foi também a da promoção da mulher, por meio do discurso filosófico de São Tomás de Aquino (1225-1274), o primeiro a afirmar que homens e mulheres são iguais perante Deus. Tomás tomou o hábito dominicano contra a vontade da mãe Teodora – ela mandou raptá-lo na estrada sem conseguir dissuadir o filho da ideia. Foi o teólogo escolástico de maior importância nessa época, marcada, segundo Le Goff, pelo nascimento da laicidade. Mais um choque. Por que na Idade Média? Porque, na Antiguidade, tudo era sacralizado. “Foi no período medieval que se fez, pela primeira vez, a distinção entre o sagrado e o profano.”

É curioso que o historiador, no livro, trate personagens reais, como Santo Agostinho de Hipona, São Francisco de Assis e Santa Clara com a mesma reverência com que destaca figuras mitológicas como a Melusina, uma mulher-dragão que surge na literatura latina do século 12 e foge quando aspergida com água benta. Le Goff confessa ser fascinado por ela, um híbrido de fada, figura diabólica, amante e mãe dedicada de vários filhos, por vezes representada como uma sereia.

Para encarnar o mal, Le Goff preferiu a figura do diabo, oferecendo uma biografia de Satã ao lado de um ensaio sobre o papel da Virgem Maria como promotora real da mulher numa época em que o poder estava nas mãos dos homens. O culto à Virgem, do século 12 em diante, foi, segundo o historiador, fundamental para que a dama do sistema feudal fosse elevada a uma categoria superior ao “vassalo” de pernas peludas.

Há também, entre os biografados, figuras transformadas em mitos, como o rei Arthur, o cavaleiro Roland e o popular Robin Hood. A maioria dos personagens pertence à religião cristã. Judeus e muçulmanos são raros na lista, a despeito de terem sido numerosos na Península Ibérica no século 15. Ele abre uma concessão para Averróis (1126-1198), nascido na Espanha muçulmana – e, ainda assim, por ter sido estudado por escolásticos cristãos, que o tinham na mais alta conta. Há também o curdo Saladino (1137-1198), viril herói dos romances de cavalaria que, apesar de expulsar os cristãos da Palestina, virou ídolo entre eles, assim como dos muçulmanos (exceto os xiitas). Sua contrapartida é o rei Ricardo Coração de Leão (1157- 1199), que Saladino considerava um tanto amalucado, a ponto de arrancar o coração de um leão com as mãos.

 São Francisco pintado por Cimabue no século 13, afresco da Basílica de S. Francisco, em Assis, Itália Divulgação

São Francisco pintado por Cimabue no século 13, afresco da Basílica de S. Francisco, em Assis, Itália Divulgação

O livro de Le Goff é um correspondente contemporâneo da Legenda Áurea com personagens do mundo laico. Revê mitos como o do pintor Giotto (1267-1337), que o historiador retrata como diretor de uma verdadeira empresa de pintura – e um tanto cínico, compondo canções que falavam mal dos pobres enquanto o artista, rico, pintava cenas sacras. Dante Alighieri (1265-1321), o autor de A Divina Comédia, considerado a Idade Média em pessoa, não escapa igualmente das críticas, a despeito de a colaboradora de Le Goff, Jacqueline Risset, reconhecer em seu clássico um “milagre poético” cuja beleza anunciou a modernidade. Dante, a exemplo de Giotto, foi um humanista “irônico e indomável” com irresistível vocação para disputas políticas (condenado à morte, ele foi banido de Florença, morrendo no exílio).

Numa época obcecada pelo Juízo Final e marcada por calamidades como a peste negra, é compreensível que a Idade Média termine no livro com um estudo sobre Satã. Uma primeira “explosão diabólica” ocorreu nos séculos 11 e 12. Mas foi o inferno da Divina Comédia que marcou simbolicamente a passagem entre épocas, anunciando com muita antecedência o espírito renascentista.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments