Getty Images

Getty Images

Publicado no Alagoas 24Horas

A tecnologia avança o quanto pode, mas a escrita ainda é essencial. Uma mensagem para avisar ao marido que vai chegar um pouco mais tarde para o jantar, desejos de feliz aniversário para a melhor amiga na rede social, a ata da última reunião com os diretores da empresa ou um bilhetinho para a diarista não se esquecer de deixar o arroz pronto. Seja lá qual for o motivo do texto, o mais importante é se fazer entender.

Mas, em tempos de corretor ortográfico automático e textos de apenas 140 caracteres, como fazer para melhorar a escrita? Alexandre Moreira, facilitador do Projeto Redigir; Maria Aparecida Custódio, professora de redação no Curso e Colégio Objetivo, em São Paulo; e Francisco Platão, supervisor de Língua Portuguesa do Anglo ensinam o caminho para desenvolver as ideias com mais facilidade, no papel ou na tela do computador.

1. Leia muito (diferentes tipos de textos)

Pode parecer clichê, mas a leitura realmente é fundamental para quem quer escrever melhor. “O hábito de ler deve ser criado em qualquer momento da vida. O que o estimula a ser um leitor assíduo? Procure livros, revistas e sites que abordem temas com os quais você tenha afinidade”, recomenda Alexandre.

Maria Aparecida concorda, mas alerta que a leitura, por si só, não é o passaporte para a boa escrita: “É comum achar que pessoas que leem muito têm maior habilidade para escrever. Não é bem assim.” Ela sugere buscar diferentes autores e estilos: crônicas, artigos e editoriais de jornal são um bom ponto de partida.

“Diz-se que, quanto mais colorido for um prato, mais nutrientes ele tem. O princípio é o mesmo. Quanto mais diversificada for a leitura, maiores são as possibilidades de expandir horizontes”, completa Maria Aparecida.

2. Copie (à mão ou no computador)

A imitação é um dos métodos mais eficazes de aprendizado, o que pode ser explicado, por exemplo, pelo sotaque, na fala. “A cópia é um exercício produtivo e vai além da leitura: treina a concentração, a pontuação e ainda internaliza formas de escrever de alguém que já sabe”, diz Maria Aparecida.

Mas é necessário reproduzir um texto do começo ao fim para ganhar noção de estrutura – um bom formato são os editoriais com os principais acontecimentos políticos, culturais e sociais. O autor americano Truman Capote – que escreveu o clássico “Bonequinha de Luxo”, cuja protagonista foi eternizada nos cinemas por Audrey Hepburn, e o aclamado “A Sangue Frio” – costumava copiar obras inteiras de outros escritores.

Mas atenção: é importante que o ato de copiar não se transforme em uma tarefa mecânica. “É uma técnica que ajuda a enriquecer o vocabulário, desde que agregada a outros estímulos. Preste atenção ao que está fazendo e tente compreender o porquê dessa prática”, reforça Alexandre.

3. Releia e peça opiniões

Sabe quando você está escrevendo um e-mail com pressa, vai reler e percebe vários erros de digitação, concordância, ortografia e coesão? Tudo isso pode ser evitado apenas com o hábito da releitura. “A segunda frase poderia ficar melhor no parágrafo final”, “Nesse caso, é ‘mau’ ou ‘mal’?”, “Será que esta parte está confusa?” Releia e não tenha receio de pedir para pessoas próximas opinarem sobre a clareza da mensagem.

“Quem escreve com atenção e comprometimento sempre melhora, mas tem gente que cria uma frase canhota e não tem paciência de reformular. Portanto, coloque-se sempre em uma posição de autovigilância”, aconselha Francisco.

4. Não fique ansioso com ortografia e gramática

Grafar corretamente não é algo que se aprende do dia para a noite – é preciso dedicação, prática e atenção. “Percebo que, quando a gramática é ensinada isoladamente, sem a aplicação, os alunos ficam assustados, inseguros e passam a errar em pontos nos quais não costumavam ter problemas. A gramática é um complemento e deve ser assimilada naturalmente durante o estudo”, afirma Maria Aparecida. Por isso, não trave o texto por causa de uma palavra. Se tiver dúvida, volte a ela com calma, procure o significado no dicionário, veja qual é o jeito certo de escrevê-la e se está apropriada ao contexto.

“No Projeto Redigir, incentivamos a ideia de língua viva, que muda de acordo com as pessoas, o tempo, a região e o contexto histórico-social. Muitas pessoas que nos procuram sofrem preconceito linguístico, o que as impede de se posicionar no mundo. Quando os alunos cometem erros, não os enfatizamos com uma caneta vermelha, mas colocamos uma legenda e explicamos como eles poderiam fazer de outra forma”, conta Alexandre.

5. Descarte palavras muito complexas

“A simplicidade é o máximo da sofisticação. A ideia de que termos pomposos valorizam a frase não é verdadeira”, ressalta Maria Aparecida. Isso significa que o texto precisa ser elegante, mas deve ser acessível. “Pode ser que a pessoa ache a palavra ‘inquietação’ mais bonita do que ‘insegurança’, mas talvez ela não seja adequada naquele momento”, lembra a professora.

6. Não escreva como se fala

Fazer isso é um equívoco muito comum. O problema é que o texto fica extremamente repetitivo, com ideias fragmentadas e superficiais. “Deixamos passar muita coisa quando conversamos, senão perderíamos a espontaneidade. É normal. Mas se nos basearmos apenas na fala a pontuação, por exemplo, não será perfeita. Antes diziam que a vírgula era pausa, mas tenho visto tanta vírgula em lugar errado que brinco que as pessoas estão respirando errado”, diverte-se Maria Aparecida.

7. Organize as ideias

Segundo Alexandre, escrever é como cozinhar: no começo, é preciso seguir uma fórmula. Os ingredientes seriam as ideias e as palavras, enquanto a receita seria o caminho para planejar os pensamentos.

“Depois de um tempo, você pega a prática e consegue fazer sozinho, sem olhar a receita”, compara. Para organizar suas ideias, um bom caminho é:

•Determinar o tema

•Selecionar as palavras-chave que remetem a este tema

•Relacionar (com coerência) os argumentos escolhidos

•Prestar atenção à gramática

•Pensar sempre em quem irá ler o texto e no que você deseja com ele – convencer ou informar, por exemplo

•Se tiver tempo, fazer um rascunho

8. Desenvolva um estilo

Um músico sofre influências de outros instrumentistas, compositores e cantores até encontrar o próprio rumo. O mesmo acontece com um escritor: é preciso prestar atenção à forma e ao processo para evoluir. E é com muita prática que o estilo é desenvolvido.

“É quando você se apaixona por um texto e começa a procurar outras obras do mesmo autor. Ou pensa: ‘Queria ter escrito isso!’. Chamamos de marca de autoria, você consegue enxergar a personalidade e reconhecer o escritor mesmo se o nome dele não aparecer”, exemplifica Maria Aparecida.

9. Tenha cuidado com a linguagem de internet

Nos textos da geração digital, as abreviações e gírias da internet já estão presentes no nosso dia a dia e não é nenhum pecado mortal fazer uso delas em algumas situações. “O perigo está em reproduzir este tipo de linguagem em circunstâncias formais”, alerta Alexandre.

Fonte: IG

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments