Terry Pratchett na New York Comic Con, em 2012 - © Luigi Novi / Wikimedia Commons

Terry Pratchett na New York Comic Con, em 2012 – © Luigi Novi / Wikimedia Commons

Autor de mais de 70 livros de fantasia sofria de atrofia cortical posterior, uma variação do Mal de Alzheimer

Publicado em O Globo

 

RIO — O autor de livros de fantasia Terry Pratchett morreu, nesta quinta-feira, aos 66 anos, após uma longa batalha contra a atrofia cortical posterior, uma variação do Mal de Alzheimer.

O anúncio da morte foi feito pela conta oficial do escritor no Twitter, em três publicações que simulavam a narração de uma história. A primeira foi digitada em caixa alta, uma marca registrada do autor quando o personagem da Morte tinha a fala.

TP

“PELO MENOS, SIR TERRY, TEREMOS QUE CAMINHAR JUNTOS. Terry pegou os braços da Morte e a seguiu através da porta em direção ao deserto negro sob a noite sem fim. Fim”, diz a sequência de mensagens, em tradução livre.

Assim que a notícia foi divulgada, na manhã desta quinta-feira, o site oficial do escritor saiu do ar, por conta do grande número de fãs tentando acessá-lo.

“Terry morreu em casa, com o gato dormindo em sua cama e cercado pela família, no dia 12 de março de 2015”, informou a editora Transworld, em nota oficial. “Diagnosticado com o Mal de Alzheimer em 2007, ele lutou contra doença com sua marcante determinação e criatividade e continuou a escrever.”

Nascido na cidade de Beaconsfield, ele publicou sua primeira história aos 13 anos e, posteriormente, trabalhou como jornalista no jornal inglês “Bucks Free Press”. Seu primeiro romance, chamado de “The carpet people”, foi publicado em 1971.

Pratchett era mais conhecido pela série “Discworld”, iniciada em 1983 com “A cor da magia” e que teve 40 volumes publicados em mais de 25 idiomas, entre eles o português. Mas, em toda a carreira, escreveu mais de 70 livros, que, somados, venderam 85 milhões de cópias.

cordamagia

“O mundo perdeu uma de suas mentes mais brilhantes. Terry enriqueceu o planeta como poucos antes dele conseguiram”, disse Larry Finlay, diretor da Transworld.

Ele foi diagnosticado com Alzheimer em 2007, mas seguiu na ativa. Ainda assim, era um defensor aberto da eutanásia.

“Acredito que deveria ser permitido a uma pessoa que sofre de uma doença séria e em última instância fatal escolher partir de forma tranquila com ajuda médica ao invés de sofrer”, declarou em 2011.

No mesmo ano, ele narrou o documentário “Terry Pratchett: Choosing to die”, sobre Peter Smedley, um homem de 71 anos que sofria de uma doença neuronal e cometeu suicídio assistido numa clínica suíça.

Além disso, Pratchett fez uma generosa doação pública para um fundo de pesquisas sobre o Mal de Alzheimer e participou de um programa do canal de TV “BBC”, onde narrou suas experiências com a doença, que ele chamava de “um aborrecimento”.

No ano passado, Pratchett foi forçado a cancelar uma participação na Convenção Internacional do Discworld por conta do avanço de sua condição.

Pratchett terminou de escrever seu último livro, mais um volume da série “Discworld”, em meados do ano passado.

O autor deixa a mulher, Lyn, e uma filha, Rhianna.

 

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments