Menino lê livro de uma das estantes domiciliares espalhadas pelo Distrito Federal (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

Menino lê livro de uma das estantes domiciliares espalhadas pelo Distrito Federal (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

 

Obras cedidas pelo governo são emprestadas de graça para vizinhos. Segundo Secretaria de Cultura, foram feitos 1,5 milhão de empréstimos em 2016.

Publicado no G1

Bibliotecas que funcionam dentro das casas de moradores do Distrito Federal fizeram 1,5 milhão de empréstimos de livros no ano passado. As estantes domiciliares foram espalhadas por várias regiões por meio do projeto Mala do Livro, criado em 1991 pela Secretaria de Cultura. Ao todo, são 42.230 livros distribuídos em 280 minibibliotecas.

A média de livros para cada uma das minibibliotecas é de 150 exemplares – entre literatura brasileira e estrangeira, infantil e infantojuvenil e até livros de pesquisa. De acordo com a secretaria, o acervo é trocado a cada três meses, de forma rotativa.

As minibibliotecas também estão espalhadas em unidades hospitalares, presídios, Centros de Orientação Socioeducativos (Coses), Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), centros olímpicos e estações de metrô. Os empréstimos têm prazo de sete dias e podem ser renovados caso outra pessoa não tenha feito reserva.

Marluce da Silva Franco, de 58 anos, hospeda a biblioteca domiciliar do projeto "Mala do Livro", da Secretaria de Cultura do DF (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

Marluce da Silva Franco, de 58 anos, hospeda a biblioteca domiciliar do projeto “Mala do Livro”, da Secretaria de Cultura do DF (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

Cadastramento

Três bibliotecárias fazem a seleção e a preparação das obras que entram na Mala do livro. Todas são cadastradas e identificadas antes de ocupar as estantes na casa dos moradores parceiros. Para participar do projeto é preciso ser morador do DF e fazer a inscrição na Secretaria de Cultura, no anexo do Teatro Nacional.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments