xlima-barreto.jpg.pagespeed.ic.Dz5hPs2RqV

O escritor Lima Barreto será homenageado na Flip 2017 – Divulgação

Com direção de Luiz Pilar, longa vai encarar aspectos da vida pessoal de escritor

Mateus Campos, em O Globo

PARATY — Depois de passear pelas ruas paratienses, Lima Barreto irá ao cinema. Homenageado pela Flip deste ano, o escritor será tema do longa “Lima Barreto, ao terceiro dia”, dirigido por Luiz Pilar e coproduzido por Globo Filmes, Canal Brasil e Telecine.

O filme é um desdobramento da peça que Pilar montou em 2013, com texto de Luis Alberto de Abreu, e, a princípio, terá no elenco Luís Miranda, Sidney Santiago, Paulo Betti e Julia Lemmertz. A previsão de lançamento é agosto de 2018.

A obra do escritor carioca já havia ido parar nas telonas em 1998 com “Policarpo Quaresma, herói do Brasil”, de Paulo Thiago. O filme de Pilar, no entanto, pretende encarar aspectos da vida pessoal dele, intercalando realidade, fantasia e memória.

Lima Barreto aparece aos 41 anos, nos três dias da sua última internação no manicômio — o escritor lutava contra problemas psiquiátricos decorrentes do abuso do álcool.

As alucinações do autor de “Clara dos Anjos” foram fartamente documentadas por ele no célebre “Diário do hospício”. Esses textos, além da consagrada biografia de Francisco de Assis Barbosa, que ajudou a recuperar o prestígio do autor nos anos 1950, foram matéria-prima para a construção do roteiro.

No campo da “realidade”, o Lima velho (Luís Miranda) enfrenta a internação. Enquanto isso, na “memória”, o jovem escritor (Sidney Santiago) escreve seu romance mais conhecido. Na “fantasia”, personagens da obra, como Policarpo (Paulo Betti) e sua irmã (Julia Lemmertz), dialogam com o autor.

— Os três planos vão interagir. Os personagens do romance discutem questões sociopolíticas do momento em que o livro foi escrito. E os questionamentos que o Lima faz no romance, continuam atuais — explica. — Em 2013, a montagem do espetáculo coincidiu com as manifestações no país, e me perguntavam se eu tinha feito de propósito. Mas a verdade é que o Brasil é que insiste em não mudar.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments