Escritora participou de bate papo com o público na XVIII Bienal do Livro - Analice Paron / Agência O Globo

Escritora participou de bate papo com o público na XVIII Bienal do Livro – Analice Paron / Agência O Globo

 

Autora de thrillers de sucesso, britânica falou sobre questões de gênero e violência

Publicado em O Globo

RIO — Em um encontro com leitores brasileiros na Bienal do Livro do Rio, na tarde deste sábado, a escritora britânica Paula Hawkins, nascida no Zimbábue, comentou os seus dois best-sellers, “A garota no trem” e “Em águas sombrias” (ambos publicados pela Record), e saudou a chegada de uma nova geração de autoras de thrillers, da qual ela faz parte e que seguem a trilha aberta por Agatha Christie. Nos seus romances, as protagonistas sofrem com episódios de violência e Paula afirmou que a luta feminista continua fundamental. A mediação foi da jornalista e escritora Frini Georgakopoulos.

— Eu sou feminista — disse a escritora, levantando a plateia que estava no Auditório Madureira, no Riocentro. —Mas eu não preciso sentar para escrever pensando sobre isso. As coisas em que eu acredito entram naturalmente nas minhas histórias.

Para Paula, a ficção é um terreno fértil para tratar dessas questões.

— Eu me interesso por questões de gênero e violência. Esse é um problema no Reino Unido. A violência doméstica não está piorando, mas também não está melhorando. É um problema que persisti por décadas. Toda semana mulheres são assassinadas por seus parceiros. Não acho que o feminismo seja algo do passado, há muita coisa a fazer. Na ficção, é possível entrar na cabeça de quem comete a violência, imaginar a vida dessa pessoa, de onde a violência vem.

A escritora falou também sobre a experiência de ter um romance seu, “A garota no trem”, adaptada para o cinema. Paula é fã de Alfred Hitchcock e de séries de crime, como as nórdicas “The Killing” e “The Bridge”, além, é claro, de “Game of Thrones — a autora pediu para a plateia não falar nada porque ela ainda não conseguiu assistir o final da última temporada. No caso da adaptação do seu romance, ela se surpreendeu ao ver os personagens ganharem vida.

— Foi incrível, extraordinário e muito estranho (risos). É muito estranho ver os personagens que você criou andando por aí. Eu não estava envolvida na produção, mas visitei o set, conheci os atores — lembrou Paula. — Ao contar uma história em imagens você muda essa história e a maneira como você se sente em relação aos personagens. É preciso aceitar isso. O livro é o livro, o filme é o filme.

Paula Hawkins disse que já está trabalhando num novo romance. Sem querer adiantar muita coisa, ela disse que os seus leitores podem esperar “muita morte e desespero, muitos personagens complicados, provavelmente mulheres complicadas”.

— Eu espero que não demore muito para terminar — disse a autora. — Sou ambiciosa, quero que os meus romances fiquem cada vez mais complexos, mais pesados. Estou trabalhando para isso.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments