Karina Yamamoto, no UOL

Ana Sophia Coimbra fazia duas faculdades, mas resolveu trancar o bacharelado

Ana Sophia Coimbra fazia duas faculdades, mas resolveu trancar o bacharelado

É final de tarde em São Bernardo, no ABC paulista, e grupos de universitários se reúnem e conversam animadamente em frente ao prédio em que terão aula dali algumas horas.

Eles se revezam no violão. O repertório é eclético, de pops românticos a MPB. O clima parece de festa, até que se toca num assunto tão delicado quanto cotidiano para eles: a ansiedade e a sobrecarga da vida universitária.

Na roda, que começa com nove universitários, todos se angustiam com a cobrança do ensino superior.

Dois deles tinham acabado de pedir trancamento do semestre por motivos psicológicos. “Eu estou com o meu laudo aqui na mão, vou até a secretaria daqui a pouco”, disse um rapaz que pediu anonimato.

Ele contou que não estava mais aguentando a carga por sofrer de ansiedade e que não conseguiria aproveitar os créditos das matérias que já havia cursado –o trancamento se referia ao semestre anterior. As disciplinas não entrariam em seu currículo, o que é uma possibilidade na UFABC (Universidade Federal do ABC).

Quase ao mesmo, todos começam a listar motivos para que a ansiedade –e em alguns casos até a depressão– se instale.

Segundo os estudantes, a cobrança acadêmica da vida universitária é alta: muito conteúdo, trabalhos e provas. E muitos deles fazem jornada dupla, seja porque trabalham, seja porque fazem mais uma graduação.

Ana Sophia Coimbra, 20, mora no Tatuapé, faz direito matutino na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e o bacharelado em ciências e humanidades à noite na UFABC, em São Bernardo, desde 2016.

Em sua opinião, o esforço de levar duas graduações ao mesmo tempo vai “valer a pena para o futuro profissional”. Só que ela já desistiu de terminar as duas no tempo mínimo.

Neste final de semestre, ela pediu o trancamento na UFABC. O sorriso largo de Sophia desaparece quando ela conta que a rotina é bastante puxada, desgastante e estressante. O final do ano é quando as provas das duas graduações se acumulam.

Karina Yamamoto/UOL

humanas

Prédio da área de humanas da UFABC em São Bernardo

“Neste último quadrimestre, que seria o que eu já deveria pegar as matérias de economia, não consegui pegar nenhuma”, diz Sophia. Na UFABC, o aluno escolhe as disciplinas que deseja fazer a partir das notas anteriores. O bacharelado permite especializações, como economia, filosofia ou políticas públicas.

“Foi um quadrimestre bem difícil, também sofri com ansiedade e estresse”, conta, sem querer especificar o motivo para o trancamento do curso.

Outros alunos que se aproximam concordam que a ansiedade e a sobrecarga estão bastante presentes na rotina.

“Problema que a gente sempre vê por aqui”

O problema é tão corrente que há uma instância institucional na UFABC para apoiar os alunos. As duas entidades estudantis que atuam no campus, o DCE (Diretório Central dos Estudantes) e a Caap (Central Acadêmica de Atividades Poliesportivas), têm esse assunto em suas preocupações. Já o DCE promoveu discussões e debates.

No final de novembro, uma postagem em sua página no Facebook convocou os alunos: “Saúde mental importa! Neste fim de quadrimestre, não deixe de lado algo tão importante quanto suas notas”.

Já a Caap aposta na prática de esportes para enfrentar a ansiedade e o estresse. Naquele final de dia, em São Bernardo, alguns alunos jogavam vôlei de praia, na quadra de areia inaugurada há pouco tempo.

Karina Yamamoto/UOL

Luiz Felipe Sallani (à esq.) e Warley Brenke, que divulgam os esportes como válvula de escape para a ansiedade

Entre os esportistas, havia dois diretores da entidade: Luiz Felipe Sallani e Warley Brenke. Eles contam que tentam incentivar a prática de esportes como uma válvula de escape.

“A gente não comenta isso no dia a dia, a gente fala das coisas boas”, diz Luiz Felipe ao ser questionado se problemas psíquicos fazem parte dos seus relatos sobre a universidade. “Mas isso [ansiedade, depressão, sobrecarga] é um problema que a gente vê sempre por aqui”, completa Warley.

Situação tem se agravado, dizem professores

O percentual de sofrimento psíquico entre os universitários chega a 49,1% – ou seja, um a cada dois estudantes brasileiros do ensino superior sofre com problemas psicológicos. Esse número é o resultado de estudo feito a partir de 1.375 artigos internacionais que analisam a rotina de alunos da área da saúde. Como comparação, o percentual do cidadão brasileiro médio gira em torno de 30%.

“Sentir-se ansioso ou triste em determinadas situações faz parte da vida, mas esse quadro chama a atenção nessa faixa da população”, explica a psicóloga Karen Graner, uma das autoras do estudo, em conjunto com a professora Ana Teresa de Abreu Ramos Cerqueira, da Unesp (Universidade Estadual Paulista), em Botucatu.

“A percepção dos alunos sobre sua vivência na universidade pode influenciar a sensação de bem-estar. Chamo aqui a atenção também para fatores que ainda vêm sendo pouco investigados, como a percepção de discriminação social, de violência escolar, como a prática do trote, problemas atuais nas universidades brasileiras e que podem favorecer ou intensificar o sofrimento entre os estudantes”, completa Graner.

Alguns professores ouvidos pela reportagem do UOL relatam que o problema tem se agravado nos últimos anos.

Karina Yamamoto/UOL

Victor Setti usou a prevenção de suicídio como tema de estudo

 

Quem trabalha com os estudantes diretamente concorda com essa percepção. “Existem situações na universidade que geram estresse”, diz Rinaldo Molina, coordenador do Proato (Programa de Atenção e Orientação a Discentes), instituído no Mackenzie em agosto de 2015 em caráter experimental e que foi oficializado em fevereiro de 2017.

Os alunos do curso de psicologia já recebiam algum atendimento, segundo Molina, mas esse programa visa atender toda a universidade “porque o problema estava crescendo”.

Cada estudante encara os desafios de maneira diferente. A proximidade com a questão da depressão –por causa da mãe– e com a ideia de se matar –fruto da sua própria condição psicológica– levou o estudante da UFABC Victor Setti, 23, a tomar a prevenção de suicídio como tema de estudo.

Karina Yamamoto/UOL

Gabriel Victor Bondan dorme 4 horas por noite e diz lidar bem com o estresse

Gabriel Victor Bondan dorme 4 horas por noite e diz lidar bem com o estresse

“De tanto pensar nisso [ele conta que teve um esgotamento psíquico em 2015 e pensou em se matar], acabou que comecei a estudar na filosofia alguns autores e parti para minha área, em políticas públicas”, diz.

Já Gabriel Victor Bondan, 21, diz lidar bem com o estresse. Ele faz duas faculdades: termomecânica na Fundação Salvador Arena e ciências e humanidades na UFABC.

“Descobri que, com o tempo mais apertado, eu acabei me esforçando mais no pouco tempo que tenho e isso até aumentou minhas notas na termomecânica”, diz o estudante, que admite dormir apenas quatro horas por noite. “Acho que trabalho melhor sob pressão.”

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments