Foto: DINO

Pesquisa do Instituto Pró-livro revela dado importante entre público brasileiro

Publicado no Terra

Se hoje você é um leitor ou leitora assíduo, provavelmente teve alguma influência marcante durante a infância. Ouvir uma história antes de dormir ou simplesmente ver os pais com um livro na mão pode fazer toda a diferença na vida de uma criança. De acordo com a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil 4, do Instituto Pró-Livro, é a figura da mãe que ganha destaque nas recordações dos entrevistados.

Quando questionados se tiveram alguma influência no gosto pela leitura, 11% mencionaram a mãe ou responsável do sexo feminino como referência. Em segundo lugar, com 7% das respostas, aparecem professores e professoras. Pais e outros parentes foram mencionados apenas em 4% das respostas.

Em comparação à pesquisa anterior, de 2011, os dados são positivos: houve aumento de 50 para 56% de entrevistados que leram ao menos 1 livro nos três meses precedentes. Além disso, 73% da população afirma gostar de ler, o que mostra uma margem para o aumento desses números.

Além dos benefícios mais conhecidos da leitura, como maior capacidade de reflexão e comunicação, um estudo realizado pela Universidade de Roma aponta que quem lê é mais feliz, escreve mais e tem interações sociais ampliadas em comparação àqueles sem o hábito. É importante estar atento à faixa etária da criança, mas a partir dos 10 meses já é possível introduzir livros adequados na rotina dos pequenos.

Nesse primeiro momento, gravuras e materiais táteis chamam a atenção. A partir dos 2 anos, os livros indicados começam a ter um pouco de texto, o que ajuda a aumentar o repertório de palavras. Já com 3 anos, a criança estará apta a entender algumas situações simples que envolvem o seu dia a dia. Com o vínculo que se cria entre pais e filhos durante esse momento, vale aproveitar cada segundo – ou melhor, cada livro.

 

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments